Análise: primeiras impressões do Project Resistance que testamos na BGS 2019

Jogamos Project Resistance, o Spin-off de Resident Evil, que permitirá aos usuários jogarem como parte do grupo de sobreviventes ou então atuando com o vilão

Luiz Mutschele
Colaborador do Torcedores

Crédito: site oficial project resistance

Os fãs de Resident Evil tem muitas dúvidas sobre o que esperar do mais novo game da franquia. Ele não contará com os icônicos protagonistas, mas sim com um novo grupo de personagens, que terão de se unir para derrotar o “Mastermind” da Umbrella, que tentará de todas formas impedi-los de sair do local.

Na BGS 2019 pudemos testar a demo do multiplayer de Project Resistance, que disponibiliza uma missão onde jogamos ou com os sobreviventes Tyrone, Valerie, Samuel e January ou com Daniel Fabron, o Mastermind da campanha. Jogamos a versão do Playstation 4 e fizemos campanhas utilizando ambos lados. Vamos a elas:

1 – jogando como sobrevivente

O jogo Project Resistance lhe possibilita escolher entre quatro personagens e cada um com habilidades únicas que vão força bruta, habilidade de hackear até suporte e cura. A gameplay mostrou uma necessidade imensa de que se tenha o mínimo de entrosamento entre os quatro jogadores, pois a cada momento a habilidade de um era necessária, mas nem sempre ele estava lá no momento certo. Se precipitar em realizar uma ação acaba por render penalidades no tempo, que não é longo (apenas cinco minutos).

Sem o mínimo de coordenação entre os jogadores é praticamente impossível terminar até as primeiras missões, pois a margem de erro é mínima e mesmo quebra-cabeças simples podem se tornar grandes desafios. Acabamos derrotados pelo mastermind antes mesmo de terminar a primeira parte da missão.

2 – jogando como Mastermind

A diferença é gritante ao atuar como Daniel Fabron e fazer as vezes de grande vilão do jogo. Com possibilidade de utilizar cartas, que lhe oferecem de armas nas câmeras até a evocação de zumbis, a vantagem é total para quem joga aqui. Ainda é possível tomar o controle de um zumbi e usá-lo para atacar os outros jogadores, da mesma forma que as armas que são colocadas nas câmeras também podem ser controladas pelo Mastermind.

Foi relativamente simples segurar os quatro jogadores pelos cinco minutos necessários para vencer a partida, mesmo não fazendo uso de todas as opções de armadilhas e armas disponíveis.

Conclusão:

Apesar da ideia interessante do modo multiplayer, que exige muita cooperação entre os jogadores, o nível de dificuldade entre os sobreviventes e o Mastermind é imensa, pois enquanto existe a necessidade do sobrevivente saber utilizar da melhor forma possível as habilidades do personagem, ele ainda precisa contar com os outros 3, pois sem um entrosamento quase perfeito, as chances de vencer são mínimas.

Por outro lado, controlar o Mastemind é simples a ponto de mesmo com pouca noção de todas as habilidades que podem ser usadas, foi muito fácil derrotar os sobreviventes. Precisaria haver um balanceamento, seja para facilitar o entrosamento entre os jogadores ou mesmo para diminuir um pouco a superioridade do vilão, pois como está atualmente, o jogo ficará restrito no modo multiplayer apenas para grupos bem entrosados, sem a possibilidade de jogadores experientes conseguirem avançar em um time cheio de desconhecidos.

Nota Final: 5,5

O jogo Project Resistance poderá ser testado na BGS 2019 nos estandes da Xbox e também na WB games.

Leia mais:

Análise: Testamos o novo Dragon Ball Z Kakarot na BGS 2019

Grand Summoners, da divisão de games da Crunchyroll é atração na BGS 2019

Espaço Arcade e Pinball marca presença na BGS 2019