Analista da ESPN aconselha NBA a evitar de vez polêmica com a China

Jay Williams, da ESPN, aconselhou os atletas da NBA sobre postura diante da polêmica envolvendo protestos políticos em Hong Kong

Aécio de Paula
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução/ Instagram: Jay Williams

Melhor ficar calado. Pelo menos essa é a opinião de um dos mais importantes analistas de basquete da ESPN. O assunto em questão é a polêmica envolvendo a China e a NBA. “Eu não aconselharia nenhum jogador a falar sobre esse assunto”, disse ele. “Entramos na lógica da liberdade de expressão, mas com a liberdade de expressão vem as repercussões”, completou.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Ele ainda falou que entrar nessas polêmicas não fará nada mudar, e que os jogadores precisam acima de tudo pensar em suas competições. “Eu trabalho para a ESPN. Não ganharia nada se falasse mal de outra emissora. Portanto, para os jogadores, não há vantagem em dizer algo.”

ENTENDA O CASO

A polêmica começou quando o Daryl Morey, que é executivo do Houston Rockets, publicou um tweet que deu início ao dilema. Nele, Morey declarava apoio aos manifestantes de Hong Kong em defesa da democracia. Fato é que a China não curtiu o tweet. E mesmo depois de excluído, ele segue gerando consequências.

O dilema segue por dias. De lá pra cá, a NBA já lançou uma nota pedindo desculpas pelo comentário do executivo. Logo depois, um comissário da NBA, Adam Silver veio a público para esclarecer que a Liga não pode falar pelos seus atletas. “A NBA não se colocará em uma posição de regular os que jogadores, funcionários e proprietários de equipes dizem ou não sobre essas questões. Não é assim que operamos”, disse ele.

Para George Pyne, um dos ex-executivos da Nascar, o ideal é encontrar um meio termo. “Vamos defender a liberdade, a liberdade de expressão mas, se houver uma penalidade comercial, então eles terão que conviver com isso, porque isso é o natural”, disse.

Na última semana, uma jornalista da ESPN foi impedida de receber uma resposta em uma coletiva da NBA, quando perguntou a opinião dos jogadores sobre a situação política na China.

LEIA MAIS

NBA: Veja o que rolou na sexta-feira (11) de pré-temporada