Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

“É a polêmica da polêmica”: Benja diz que VAR só funcionaria se fosse totalmente eletrônico e sem um árbitro no comando

Apresentador da Fox ainda disse que “detesta” o VAR e que o método não repara injustiça no futebol

Matheus Camargo
Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), colaborador do Torcedores.com desde 2016, radialista na Paiquerê 91,7.

Crédito: Reprodução/Fox Sports

O árbitro de vídeo segue como tema central de discussões sobre futebol e mais um a fazer sua análise foi o apresentador Benjamin Back, do Fox Sports, durante entrevista ao programa Alê Oliveira Responde.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Segundo o comandante do programa Fox Sports Rádio, o VAR não tem reparado as injustiças que prometeu e o critério do uso não é claro.

“Eu detesto o VAR. Acho que tira a emoção do jogo, tira o andamento, o narrador narra o gol, passam cinco minutos e ele “desnarra”, ou o cara não narra e depois tem que narrar o gol. ‘Ah, mas repara a injustiça’, não sei. Tenho visto várias coisas que não tem reparado. É a polêmica da polêmica”, apontou Benja ao programa do Youtube.

Porém, o apresentador deu uma “solução” para o bom uso do VAR. Segundo ele, o aparelho é “bacana”, mas só será confiável quando não for controlado por seres humanos, que estão sujeitos a erros.

“Quando eu digo o VAR, não é o aparelho, o aparelho eu acho bacana, mas operado por seres humanos não acredito” disse Benja.

“Teve o pênalti no Brasil 2 a 0 na Argentina (pela Copa América), por que não pediu o VAR? Qual o critério? Mas se fosse para tirar o árbitro, fazer tudo eletrônico, aí sou a favor. Tudo eletrônico, aí tudo bem.”

Leia mais:
Apresentador da Fox diz que críticas a Neymar fazem parte de “cultura do ódio” no Brasil: “pessoas querem sangue”

Torcedor do Fla que morreu antes da semi desmaiou na rua e foi ao hospital em caminhão de peixe

Bolsonaro diz que o Brasil todo é Flamengo na Libertadores e projeta: “1 bilhão e 300 milhões de chineses também serão”