Brasil amarga empate contra Senegal, em amistoso

Pela primeira vez em campo o Brasil tropeça contra africanos

Bárbara Ribeiro
Bárbara é Mineira nasceu na cidade de Nova Lima. Incrivelmente ligada ao universo Esportivo.

Crédito: Getty Images

Nesta quinta-feira a Seleção Brasileira de futebol empatou por 1 a 1 com o Senegal em Cingapura. Com o resultado, o Brasil segue nem vitória desde a conquista da Copa América em julho.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Em campo, o Brasil apresentou um futebol tímido, sem brilho.  Apesar de sair na frente no placar com o um gol de Firmino, a equipe comandada por Tite foi dominada pelo time africano, que buscou o ataque e chegou a ter maior posse de bola.

No final do segundo tempo, Sadio Mané fez a excelente jogada iniciada ainda no campo de defesa e terminou com um pênalti de Marquinhos. NA cobrança o atacante Diédhiou deixou tudo igual no estádio Nacional. Durante a partida Senegal teve as melhores chances, muitas vezes, com triangulações e tabelas bem organizadas e dribles e toques surpreendentes.  O técnico Tite tentou, fez alterações na equipe brasileira, substituiu Firmino para a entrada de Everton Cebolinha, mas sua estratégia não mudou o cenário do jogo e a igualdade se manteve.

Siga o Torcedores também no Instagram.

Após a partida, o técnico Tite comentou o desempenho do Brasil contra Senegal, em entrevista coletiva.

“A seleção brasileira foi abaixo do que poderia produzir. Jogou menos do que pode e competiu menos do que pode. Não foi um bom jogo nosso”, reconheceu. “Esteve abaixo do seu padrão técnico, do seu normal competitivo. No segundo tempo foi melhor e conseguiu trazer nossa ideia mais de bola, de troca de passes, circulação. E depois da [jogadas em] profundidade, num plano avançado. Aí ela conseguiu. Mas esteve abaixo, sim”, admitiu.

Além disso, Tite ressaltou que o Brasil já havia tido dificuldades contra outra seleção africana. Em novembro do ano passado, a Seleção venceu os camaroneses por 1 a 0, também com dificuldades.

“Da minha passagem aqui, é a segunda vez que a gente joga contra a escola africana. E é a segunda vez que a gente tem dificuldade. São equipes que procuram contato, trazem compactação, bola aérea forte. E a gente está ainda encontrando uma melhor forma de jogar contra as seleções africanas”, afirmou.

No próximo domingo, o Brasil volta a entrar em campo a partir das 9h (horário de Brasília), contra mais uma seleção africana. Desta vez o adversário será a Nigéria, também em Singapura.

Leia mais:

Daniel Alves lamenta jejum de vitórias da Seleção Brasileira