CEO do Liverpool diz que o sucesso do clube é baseado no socialismo

Peter Moore falou ainda que Klöpp foi feito para o Liverpool e que o futebol tomou o lugar dos Beatles como símbolo da cidade

Samuel de Brito
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução / Liverpool

Peter Moore, CEO do Liverpool, disse em entrevista ao El País que o sucesso do clube de futebol se baseia no socialismo. O nativo de Liverpool explica como o trabalho do escocês Bill Shankly moldou a versão atual do clube e da cidade.

Futebol de graça e ao vivo por 1 mês? Conheça o DAZN Brasil!

“Tínhamos essa figura histórica, Bill Shankly, um socialista escocês que construiu as fundações. Hoje também, quando falamos sobre questões de negócios, nos perguntamos: ‘o que Shankly teria feito? O que Bill teria dito nessa situação?’ Ele era um verdadeiro socialista que acreditava que o futebol consistia em trabalhar juntos, Sentamos e dissemos que vamos colocar em palavras e essa foi a conclusão”, disse Peter.

O diretor-executivo do atual líder da Premier League falou sobre a ideia do escocês aplicada ao campo: “Shankly expressou a ideia de trabalhar juntos em campo como ‘passe a bola e se mova’. É muito simples: Passe a bola e se mova para se tornar disponível para um companheiro de equipe. Há uma música dos fãs há 60 anos que descreveu o estilo como ‘poesia em movimento’, não é exatamente tiki-taka. Mas isso acontece quando você joga livremente com contra-ataques rápidos. Essa é a nossa marca”.

Quando questionado sobre as comparações entre a lenda do Liverpool e o técnico alemão, ele foi enfático: “Klöpp é o clássico Liverpool”. “Shankly costumava dizer ‘eu fui feito para o Liverpool e o Liverpool foi feito para mim’ e Klöpp pode dizer exatamente a mesma coisa. Ele entende os elementos socialistas dentro do clube e da cidade, os desafios e a emoção. Os Beatles eram um símbolo da cidade durante uma época. Agora é futebol “.

Ele explicou que a contratação do treinador alemão foi feita a partir da análise de desempenho: “Obviamente, olhamos para os jogadores em campo. Mas não podemos esquecer o ponto de vista analítico. Existem analistas como Ian Graham, doutor em ciências do esporte, que fez o relatório que recomendou a contratação de Klöpp sem ver nenhum jogo do Dortmund, porque analisou apenas as estatísticas. Isso não é tão estranho, existem pessoas na EA que nunca jogaram um jogo [da FIFA] e não querem ver jogos de vídeo. Eles analisam dados”, disse.

A contratação do craque egípcio também foi mencionada: “Quando assinamos Salah, a decisão foi tomada. Depois de analisar alguns jogadores, Salah era o cara que estávamos procurando”.

Por fim, Moore falou sobre a essência do clube: “Esse Liverpool significa mais. Mais do que ganhar ou perder. Mais do que ir ao futebol, ir ao pub e depois voltar para casa”.

LEIA MAIS