Che Guevara, o revolucionário que amava rugby

Durante a Copa do Mundo de Rugby é normal lembrar de personagens que passaram pela modalidade. Poucos são tão controversos quanto Ernesto Che Guevara

Rodrigo Nascimento
Colaborador do Torcedores.com, amante dos esportes americanos e do automobilismo.

Crédito: Reprodução/YouTube

Recentemente, o Torcedores publicou uma matéria sobre algumas celebridades que já se aventuraram dentro das quatro linhas e jogaram rugby (clique aqui e confira). Entre eles, estava ninguém menos que um dos líderes da Revolução Cubana, Che Guevara. Então, resolvemos mergulhar um pouco mais nesta história.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

O jovem Ernesto Guevara era apaixonado por esportes, apesar de ser asmático. Foi justamente este fato que fez com que sua família optasse por Córdoba, na Argentina, um lugar onde o ar era mais fresco. E com isso, Guevara praticou diversas modalidades, principalmente rugby.

Sua carreira no rugby começou, de acordo com algumas biografias, no Club Estudiantes, ao lado do irmão Roberto e do amigo Alberto Granado (com o qual fez anos depois uma famosa viagem pelo continente sul americano em uma motocicleta).

Ao retornar para Buenos Aires para estudar medicina, Che Guevara chegou a jogar por três equipes: Atalaya Polo Club, Ypora e o SIC em San Isidro. Neste último clube, o pai de Guevara, Ernesto Guevara Lynch, pediu para o presidente da equipe não permitir a permanência de seu filho no time, preocupado com a saúde dele ao praticar um esporte que exigia um vigor físico elevado.

Confira no vídeo abaixo, algumas imagens de Ernesto Che Guevara, incluindo sua passagem pelo rugby:

“Eu amo rugby. Mesmo que isso me mate um dia, fico feliz em jogar”, chegou a declarar Che Guevara, em sua própria revista sobre rugby, chamada Tackle. Ao todo, foram publicadas onze edições, e até hoje, a procura por um exemplar dessas revistas é intensa.

Foi justamente em uma dessas edições, que Ernesto Che Guevara aproveitou para escrever uma critica sobre à desigualdade social na comunidade do rugby dentro de seu país. “Não se pretende que haja um campo de rugby para cada argentino, mas pensamos que poderiam ser criados clubes cuja atividade principal fosse o rugby, para que este deixasse de ser um esporte secundário. Se fizer isso, a Argentina poderá ter um lugar na hierarquia internacional”.

Seu relato não passou despercebido: resultou em uma visita inesperada das autoridades. Não houveram mais edições da revista Tackle, e Ernesto Che Guevara partiu junto com seu amigo Alberto Granado para uma viagem transformadora, onde deixou a medicina de lado para se tornar um guerrilheiro e entrar na história.

Quanto ao rugby na Argentina? Pelo visto, deu certo. Hoje, o país é uma das potências da modalidade, e alguns de seus clubes vivem apenas da pratica da modalidade, como uma certa revista propôs um dia…

LEIA MAIS:
De kamikaze a padrinho do rugby no Japão: a curiosa história de Shiggy Konno
Copa do Mundo de Rugby 2019: Os rituais que roubam a cena antes dos jogos