Conselheiros do Palmeiras querem explicações de Mattos e Galiotte após aumento do auxílio-moradia de dois funcionários

Conselheiro disse ao blog do Perrone que ideia é reunião com o diretor e o presidente do Verdão

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: César Greco/Agência Palmeiras

Uma série de conselheiros do Palmeiras querem cobrar explicações de Alexandre Mattos após a revelação do blog do Perrone de que membros da comissão técnica tiveram aumento em seus auxílios-moradia.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Segundo publicou o mesmo blog, a ideia é reunir Alexandre Mattos e Maurício Galiotte para exigir explicações e saber se esse tipo de aumento é dado a todos os funcionários.

“O sentimento entre os conselheiros é de que precisamos pedir explicações”, disse o conselheiro Luiz Fernando Moncau ao blog do Perrone.

“Temos que saber se essa prática (reajuste de auxílio-moradia) acontece com outros funcionários do clube. É necessário que o conselho tenha acesso a toda a documentação sobre o assunto. Não estou dizendo que há algo de irregular, mas essa documentação precisa ser franqueada para o conselho. Quanto antes tudo for esclarecido, com transparência, melhor será para o Palmeiras.”

O presidente do Palmeiras foi questionado sobre o assunto nos próximos dias, mas se limitou a dizer que o auxílio-moradia “não diz respeito ao clube”, o que foi rechaçado por Moncau.

“Foi uma explicação rasa porque o dinheiro (referente ao auxílio-moradia) é do clube, os funcionários também. Então não é tão simples”, explicou Moncau.

A ideia é fazer um abaixo-assinado para que sejam dadas explicações ao Conselho. Para que isso seja feito, 60 conselheiros ou 1000 sócios devem assinar o pedido.

“Se o presidente acha que é normal, é a opinião dele. Mas não entendo assim. Acho que pode ser legal, mas não é dentro da normalidade”, disse Seraphim Del Grande, presidente do Conselho Deliberativo do Palmeiras, também ao blog do Perrone.

Leia mais:
Diniz detona formação de base, diz que clubes “deformam personalidade” dos jovens e dispara: “jamais deixaria meu filho ir aos 13”