Fluminense e Bahia se unem em ação contra o racismo no jogo deste sábado

Um convite feito e prontamente aceito pelo Bahia e Fluminense, justamente as duas equipes que tem os únicos técnicos negros da Série A

Tathiane Marques
Colaborador do Torcedores

Crédito: Lucas Merçon/Fluminense e Felipe Oliveira/EC Bahia

Neste sábado (12), Fluminense e Bahia se enfrentam, a bola vai rolar às 19h00 (horário de Brasília), no estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã. A partida será válida pela 25° rodada do Campeonato Brasileiro.

Uma especial coincidência que envolve esse jogo, que é a representividade na sociedade por ser as únicas equipes à ter treinadores negros. Do lado do Tricolor carioca temos recém efetivado, Marcão, e Roger Machado, pelo Esquadrão de Aço.

Sabendo disso, o Observatório de Discriminação Racial no Futebol lançou a proposta via redes sociais para os dois times, pedindo que os dois representantes negros usem a camisa do observatório.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva

Prontamente tanto o Bahia quanto o Fluminense abraçaram a ideia e responderam a proposta de forma bem entusiasta e confirmando a participação. O Tricolor retweetou a publicação do Observatório e marcou o adversário da noite.

O Bahia respondeu de forma afirmativa a citação do Tricolor carioca. Lembrando que o Esquadrão de Aço vem sempre realizando ações para conscientização dos torcedores e erradicação do preconceito nos estádios.

Roger Machado e Marcão

O técnico do Bahia foi durante anos o único negro no comando de uma equipe de Série A, mas há uma semana a luta por igualdade de oportunidades ganhou mais um soldado, trata-se de Marcão, efetivado como comandante do Fluminense.

Esse ano durante uma ação para combater o preconceito racial e social no futebol feita em parceria com o Grêmio, Roger falou sobre o assunto.

Siga o Torcedores também no Instagram

“O preconceito no futebol é como o preconceito no Brasil, ele existe, mas é velado. E é tanto relacionado à questão da raça como da classe social”.

As vésperas do jogo contra o Internacional, durante entrevista ao GloboEsporte.com, Marcão falou sobre a representatividade negra como técnico de futebol.

“A gente tem pessoas próximas, amigos, que abraçaram a causa. Eles estão felizes, mandaram mensagem. “Marcão, é bom te ver aí, você está representando a classe”. Eu fico muito feliz por isso, eu estou representando uma classe muito forte, muito unida. Eu vejo o Roger, vi o Cristóvão, o Jair. Hoje é sempre muito positivo ver o Marcão representando, e amanhã vai ter mais dois, depois mais dois. E eu vou puxar, vou chamar nossa classe, chamar eles para perto. É uma causa importante. Não tenho dúvida nenhuma que, daqui a pouco, o Jair está aí de novo, o Cristóvão. São pessoas que representam”.

O Observatório de Discriminação Racial no Futebol foi criado no ano de 2004 para monitorar e divulgar casos de racismo, além das ações afirmativas no futebol brasileiro.

LEIA MAIS:

Brasileirão Série A: 4 jogos para ficar de olho na 25ª rodada