Fórmula 1: relembre momentos marcantes do GP do Japão

Em Suzuka, Senna conquistou seu terceiro título mundial, em 1991, e protagonizou disputas eletrizantes com seu companheiro de equipe, Alain Prost. Outros brasileiros também tiveram bons momentos nesse circuito.

Carlos Henrique Correia
Colaborador do Torcedores

Crédito: Fotos Públicas / Pirelli / LAT Images

O Japão faz parte do calendário oficial da Fórmula 1 desde 1976. As primeiras provas foram disputadas em Fuji. Depois de dez anos de ausência, em 1987, o país voltou a fazer parte da temporada da principal categoria do automobilismo mundial, mas passou para Suzuka, circuito o qual permanece até os dias de hoje. O próximo capítulo dessa história será escrito domingo (13).

A pista conta com uma extensão de 5.807 km, que é percorrida em 53 voltas. O maior vencedor da prova é Michael Schumacher. Por lá, o heptacampeão mundial cruzou a linha de chegada em primeiro em seis oportunidades. O dono da melhor volta é Kimi Raikkonen, com o tempo de 1:31.540s, conquistado em 2005. Já a equipe que mais ganhou foi a McLaren, foram nove conquistas.

O autódromo é um dos mais marcantes. Com 18 curvas que são de todos os estilos, sem contar a reta do terceiro setor, que antecede a entrada para os boxes. Local que, em 1989, serviu de palco para Senna e Prost em mais uma disputa eletrizante. Neste ano, quem vencesse essa corrida levaria o campeonato.

Em 2007 e 2008, a corrida da terra dos samurais voltou a ser disputada na primeira sede. Isso por conta de um desentendimento político entre as equipes Toyota e Honda. Depois de um revezamento feito entre os dois circuitos e com a saída das duas montadoras, Suzuka passou a ser a única representante do Japão na Fórmula 1.

Brasileiros que venceram no Japão

O Brasil já teve alguns vencedores no Japão. Ayrton Senna, por exemplo, venceu a prova por duas vezes, em 1988 e 1993. Nelson Piquet subiu no lugar mais alto do pódio em 1990. Depois disso, apenas Rubens Barrichello venceu, em 2003, quando ainda era piloto da Ferrari. Mas a terra do sol nascente ainda foi ótima para outro piloto que representava as cores verde e amarelo.

Felipe Massa, em 2012, contou com alguns tropeços dos adversários e fez uma corrida cirúrgica que acabou em segundo lugar. Resultado importante para o piloto, visto que vinha de um jejum, sem pódios, de dois anos e meio.

Os riscos

Nem só de bons momentos, ou de grandes ultrapassagens o GP do Japão é marcado. Em 2014, além de chuva, havia um grande risco de tufão. No final da corrida, Jules Biachi sofreu um grave acidente. Após derrapar, o piloto perdeu o controle e bateu forte em um trator que estava parado na parte de fora da pista, para retirar o carro de Adrian Sutil, que tinha batido levemente no muro.

Naquela oportunidade, Hamilton, Rosberg e Vettel completaram o pódio. Em respeito ao colega que foi para o hospital inconsciente, a tradicional festa do champanhe não aconteceu.

LEIA MAIS

Mercedes: números do balanço econômico da equipe na última temporada são revelados