Gabriela Brino: Por que somente o Santos perde em não renovar com Gustavo Henrique

Zagueiro, com contrato até final de janeiro de 2020, não deve permanecer no Peixe. E apenas o clube sairá prejudicado com sua saída de graça a um rival

Gabriela Brino
Colaborador do Torcedores

Crédito: Gustavo Henrique marcou o gol da vitória sobre o Ceará (Foto: Ivan Storti)

O Santos vai ser muito (!!) e o único prejudicado caso perca Gustavo Henrique em 2020. E não se trata apenas de não receber um centavo sequer por conta da falta de planejamento do caso.

Aliás, somente o Peixe perde com a saída. Além de ficar “chupando o dedo”, terá de pesquisar outro nome no mercado para substituir o Menino da Vila para a próxima temporada. Perderá um jogador ativo, capitão e titular absoluto do time de Sampaoli, por demorar mais do que deveria para tratar a renovação do defensor. Verá sua cria sair de graça e vestir a camisa do rival.

Em meio a esse processo de acordo para um novo contrato, o camisa 6 se mostrou útil e importante para o Santos, já que fez dois gols nos últimos três jogos. Dentre eles, um deu a vitória ao Peixe sobre o Ceará, na última quinta-feira, por 2 a 1. Defensivamente Gustavo é regular, mas perde na qualidade técnica pra Veríssimo e Luan Peres, por exemplo.

Apesar da proposta em mãos, o zagueiro analisa suas possibilidades no Brasil e ainda sonha com a Europa. Palmeiras e Flamengo estão de olho. O fato é: Gustavo tem 26 anos e continuará tendo mercado e espaço no futebol, possivelmente ganhando um salário maior.

Enquanto isso, o treinador argentino o utiliza sabendo da chance de perdê-lo. A diretoria cogitou afastá-lo por conta da indefinição, mas Paulo Autuori, superintendente de futebol, vetou a possibilidade. Vale lembrar que a diretoria já cometeu o mesmo erro ao procurar jogadores “tarde demais”, como foi com Robson Bambu, hoje no Atlhetico-PR. Na época o zagueiro assinou pré-contrato e deixou o Peixe sem receber dinheiro algum.

A vida é feita de erros e acertos, mas na questão renovação, o Santos aprendeu pouquíssimo com os seus.

Veja mais:

Com gols de cabeça, Santos vence o Ceará de virada por 2×1

Ceará sofre com racismo e xenofobia em jogo contra o Santos: “Falaram que a gente joga no norte. Precisam estudar mais”

Racismo, gols no fim e VAR: veja o que marcou a 26ª rodada do Brasileirão