“Muito difícil”: Carille praticamente rechaça chance de título do Corinthians e pede ‘jogo a jogo’ pelo G-4

Técnico do Corinthians prefere pés no chão para colocar a equipe na Libertadores do ano que vem

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores

Crédito: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

O Corinthians está de olho na vaga direta à Copa Libertadores e o técnico Fábio Carille deixou claro que quer ‘jogo a jogo’ após o empate por 2 a 2 com o Athletico Paranaense na noite da última quinta-feira (10), na Arena.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Após a partida, em que a equipe voltou a fazer jogo ruim, o técnico do Timão deixou claro que o título não é impossível, mas é muito difícil pelo que o time tem jogado.

“Muito difícil título. Impossível? Não. Mas difícil pelo que estamos jogando”, disse o treinador.

“Para falar de título, temos que estar no G4. Gosto muito do jogo a jogo, sem olhar para o que os rivais estão fazendo. Não adianta olhar sem fazer o nosso. Tiveram domínio, conjunto. Ganharam Sul-Americana e Copa do Brasil. Sabíamos das dificuldades, triangulações. Quando joguei sem 9, também tinha controle de bola. Parabenizar o técnico pelo time organizado. Foram superiores.”

O Corinthians voltou a ser dominado pelo adversário contra o Athletico Paranaense e Carille chegou a admitir que tem se cobrado para melhorar a equipe, mas que os treinos são escassos e que nem sempre é possível.

O treinador ainda cobrou reforços e disse que Boselli precisa de companhia ou de jogadores mais agudos para trabalharem a seu lado.

As chances de título do Corinthians diminuíram ainda mais após a rodada, já que o time empatou em casa e o líder Flamengo, que venceu o Atlético-MG por 3 a 1 no Maracanã, abriu 12 pontos de distância para a equipe alvinegra.

O Corinthians volta a campo no domingo (13), às 19h, para enfrentar o rival São Paulo no Morumbi.

Leia mais:
Premiação por título do Brasileirão feminino representa 0,4% do que é pago ao masculino; veja os números

Mauro Cezar diz que Mano “não é capaz” de entregar o prometido no Palmeiras e lembra: “retranqueiro com passado corintiano”