Palmeiras recebe aval positivo e quer gramado sintético no início de 2020

Conversa do clube agora é diretamente com a WTorre; presidente disse que projeto é em união com a construtora

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/Allianz Parque

O Palmeiras recebeu uma resposta técnica positiva da comitiva do clube que foi à Holanda para tomar conhecimento do gramado sintético e já quer a troca no Allianz Parque para o início de 2020.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Ao Globoesporte.com, o presidente Maurício Galiotte confirmou a informação e disse que restam apenas algumas discussões.

“Essa é a ideia (no início de 2020), trabalhar rapidamente esse projeto e, se tudo der certo, se as discussões técnicas, operacionais e comerciais, se a gente conseguir essa evolução nas três frentes, a ideia é que o Palmeiras tenha para 2020 um gramado sintético no Allianz Parque.”

Por força de contrato, a responsabilidade pela manutenção do gramado é da WTorre, que tem de dar sua última palavra sobre a troca.

Segundo o presidente do Palmeiras, o projeto é em união entre clube e construtora.

“É um projeto do Palmeiras e da WTorre. Além da redução do custo operacional, porque o gramado sintético tem uma redução de custo de manutenção, nosso grande objetivo é a maximização da utilização da arena”, apontou Galiotte.

“Isso garante ao Palmeiras jogar mais vezes em casa e garantir maior competitividade. O gramado sintético tem maior resistência a shows e eventos.”

Além de mais jogos em sua casa, o clube também vislumbra uma vantagem sobre os adversários que não possuem o mesmo gramado sintético em seus estádios. A principal inspiração é o Athletico Paranaense, recentemente campeão da Copa Sul-Americana e da Copa do Brasil.

Medida tomada após ausência do estádio
Em 2019 o Palmeiras voltou a sofrer com shows e eventos no Allianz Parque, o que fez com que o clube levasse seus jogos para o Pacaembu – como nas quartas de final da Copa Libertadores, contra o Grêmio, que terminou na eliminação do Verdão.

Também por contrato, a WTorre tem direito de solicitar a arena para a realização de eventos. Porém, com gramado natural, o Allianz precisa de vários dias para poder voltar a receber uma partida.

O tapete sintético leva pouco tempo para retomar a forma normal e o tratamento é considerado mais simples.

“A responsabilidade do gramado é da WTorre, por contrato. Tivemos algumas situações neste ano em que o Palmeiras não pode jogar na arena em jogos importantes e que nós entendemos que houve impacto esportivo negativo. Com isso a gente acelerou esse projeto, a WTorre buscou empresas no mercado com qualidade comprovado e com produtos de ponta e nos apresentou a Soccer Grass”, concluiu Galiotte.

Leia mais:
Willian aponta Flamengo regular como o Palmeiras de 2018; Atacante lamentou chances perdidas em Curitiba