RUGBY: Pais e mães orgulhosos têm acompanhado seus filhos na Copa do Mundo

Pais – e mães – de jogadores da Copa do Mundo de Rugby de 2019 que também representaram seus países estão entre os fãs mais apaixonados do Japão

Danilo Lacalle
Jornalista de formação, e atleta por opção. Especialista em esportes americanos e apaixonado por esportes radicais.

Crédito: Twitter/Reprodução

Os fãs de rugby são muito apaixonados. Mas, nesta Copa do Mundo, há um grupo especial de espectadores que estão ainda mais cheios de mais orgulho. Eles são os ex-jogadores cujos filhos estão em campo. E estão no Japão dando força aos seus filhos.

Alain Medard estava torcendo ansiosamente por seu filho, o lateral Maxime, nas arquibancadas da vitória da França contra os EUA. Vestindo uma camisa com o nome de seu filho estampado nas costas.

“Estou muito feliz por estar aqui”, disse Alain, que jogou ao lado do tio de Maxime, Francis, na primeira divisão francesa, em 1980. E jogou pelo Blagnac, clube onde Maxime iniciou sua carreira.

“Com Maxime na seleção, eu não podia perder esse evento. Estou tão orgulhoso. Fui para a Nova Zelândia em 2011 (quando a França perdeu para os anfitriões na final). Espero que, desta vez, fiquem até o final da competição”, completa.

Também presente no Estádio Fukuoka Hakatanomori, assistindo as vitórias da França, estava Emile Ntamack. Duas vezes veterano da Copa do Mundo, o “ex“ Les Bleus estava apoiando seu filho Romain.

Depois, o clube de Romain, Toulouse, para o qual Emile também jogou, twittou estas fotos do orgulhoso pai com seu filho:

Dois dos jogadores da Itália também contam com o apoio de pais que jogaram no mais alto nível. O pai de Jake Polledri, Peter, tem seguido seu filho no Japão.

Jake, que joga pelo Gloucester na Premiership inglesa, disse: “Ele esteve aqui com minha mãe e meus irmãos nas duas primeiras partidas e depois foi para casa, mas se divertiu tanto comprou a partida da África do Sul”, disse.

Ex-jogadora da Copa de Rugby também está acompanhando seu filho

O companheiro de equipe de Polledri, Allan, está sendo aplaudido por sua mãe Paola Berlato. Ela foi a primeira capitã da seleção feminina italiana, na história.

Em 2013, Tommaso se juntou à mãe em uma cerimônia da Federação Italiana de Rugby. Nela, as jogadoras que representaram a equipe feminina da Itália foram presenteadas.

Tommaso disse: “Tanto minha mãe quanto meu pai me ajudaram bastante. Meu pai era meu treinador, mas minha mãe sempre me dava dicas. Eles nos levavam a todos os lugares, não importa a distância. Toda a família iria. Foi maravilhoso tê-los aqui para me apoiar”.

Entre os outros pais orgulhosos no Japão está Diego Ormaechea, do Uruguai. Ele viu seus filhos Agustin e Juan Diego ganharem de Fiji em Kamaishi – a vitória de maior prestígio na Copa do Mundo de seu país. Diego esteve envolvido nas duas outras vitórias do Uruguai, da Copa. Como jogador, em seu triunfo em 1999 sobre a Espanha, e como técnico contra a Geórgia, quatro anos depois.

Ele disse: “Eu já tinha o orgulho de ter visto Agustin na Copa do Mundo de 2015 na Inglaterra. Mas veer ele e Juan Diego juntos, em 2019, foi incrível”. “É indescritível como pai, ver dois de seus filhos representando o país. É muito difícil descrever”, completa.

LEIA MAIS

RUGBY: Jogador da África do Sul, Etzebeth, é acusado de racismo

Sky Sports tenta estender contrato de transmissão de rugby na Nova Zelândia