Vagner Love lamenta chances perdidas contra o Athletico: “não fui feliz”

Camisa 9 teve chance clara no fim do segundo tempo, mas perdeu cara a cara com Léo

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores

O atacante Vagner Love lamentou as chances que perdeu durante o empate por 2 a 2 entre Corinthians x Athletico Paranaense, na noite desta quinta-feira (10), em Itaquera.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

O lance que mais chamou a atenção foi aos 40 minutos da etapa final, quando avançou livre do meio para a área e, cara a cara com Léo, finalizou em cima do goleiro do Furacão.

Ao fim da partida, para o Globoesporte.com, Love lamentou o empate e as chances perdidas.

“Estava difícil, sabemos da qualidade do time deles, são entrosados”, disse o atacante do Corinthians.

“A gente sabia que seria um jogo de competir, de brigar. Tentamos, lutamos até o final. Tive duas chances e não fui feliz. A gente sabe que no Brasileiro nunca teremos jogo fácil. Agora é descansar e pensar no São Paulo no domingo.”

Love voltou a fazer dupla com Boselli na partida contra o Athletico e o argentino foi quem brilhou da dupla. Foi dele o gol do empate no lance final do primeiro tempo.

Assista ao gol perdido por Vagner Love:

Corinthians x Athletico Paranaense – 24ª rodada do Brasileirão
Estádio: Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Horário: 19h15
Transmissão: Globoesporte.com
Arbitragem: Andre Luiz de Freitas Castro, Leone Carvalho Rocha (auxiliar 1), Cristhian Passos Sorence (auxiliar 2), Elmo Alves Resende Cunha (VAR)

Escalações da partida

Corinthians: Cássio; Fagner, Gil, Manoel e Danilo Avelar; Mateus Vital, Ralf, Ramiro e Clayson; Vagner Love e Boselli. Técnico: Fábio Carille

Athletico Paranaense: Léo; Madson, Thiago Heleno, Léo Pereira e Marcio Azevedo; Wellington, Léo Cittadini e Erick; Marcelo Cirino, Rony e Thonny Anderson. Técnico: Tiago Nunes

Leia mais:
Premiação por título do Brasileirão feminino representa 0,4% do que é pago ao masculino; veja os números

Diniz detona formação de base, diz que clubes “deformam personalidade” dos jovens e dispara: “jamais deixaria meu filho ir aos 13”