Allan Simon: Reta final do ano definirá 2020 de Globo, Turner, DAZN e Fox

Acessos e rebaixamentos no Brasileirão e vagas para competições continentais mexem com mercado de transmissão tanto na TV aberta (Globo), como na TV por assinatura (SporTV, Fox e TNT) e no streaming (DAZN e Facebook)

Allan Simon
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalha com esportes desde 2011 e já passou por veículos como R7 (Rede Record), Abril.com, UOL Esporte e Torcedores nas funções de redator, repórter, editor e apresentador de vídeos. Experiências de coberturas em duas Copas, duas Olimpíadas, dois Pans. Atualmente, produz o Blog do Allan Simon, é colunista de Mídia Esportiva do Torcedores e colaborador do UOL.

Crédito: Ilustração: Allan Simon

O futebol brasileiro está entrando em sua reta final na temporada 2019. Em um prazo de pouco mais de um mês, o Flamengo decide a Libertadores em um jogo único com o River Plate e terminam as Séries A e B do Campeonato Brasileiro. Os resultados em campo que vierem desses momentos derradeiros do ano vão definir diretamente detalhes importantes que interessam ao Grupo Globo, à Turner, ao DAZN e à Fox na hora de saber o tamanho e a força de seus produtos nas grades em 2020.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Ou seja, os futuros números de audiência, assinaturas, engajamentos e tudo mais estão atrelados ao que os jogadores de nossos principais clubes fizerem daqui até meados de dezembro. Explico passo a passo como funcionará isso para cada campeonato e empresa neste texto. Vamos lá:

– SporTV x TNT no Brasileirão 2020

A conta que nós aprendemos a decorar “na marra” dos jogos que TNT e SporTV poderiam transmitir no Brasileirão 2019 não é fixa até o fim dos contratos atuais de televisão por assinatura, em 2024. O canal da Turner pode exibir 42 jogos porque esse é o total de duelos diretos entre os sete clubes da Série A com os quais a empresa possui contrato atualmente (Palmeiras, Santos, Athletico Paranaense, Internacional, Bahia, Fortaleza e Ceará, em ordem de classificação na tabela após 30 rodadas).

Faltando oito rodadas, a Turner vive um momento de expectativa de crescimento na quantidade de jogos possíveis em 2020. Isso porque nenhum de seus sete clubes está na zona de rebaixamento após os duelos do fim de semana. O mais próximo é o Ceará, dois pontos à frente do Fluminense, que ocupa a 17ª colocação. O Fortaleza, com cinco pontos a mais que o time tricolor carioca, ainda é ameaçado também, mas os outros estão praticamente livres.

Na Série B, o G-4 atual colocaria na elite do Brasileirão do ano que vem o Bragantino (futuro Red Bull Bragantino), que não possui contrato oficial ainda com nenhum dos dois canais), Sport Recife (fechado com o Grupo Globo), Coritiba (fechado com a Turner) e Atlético-GO (fechado com o Grupo Globo). Ou seja, se tudo terminasse assim, nenhum time da TNT cairia, e um subiria, fazendo crescer para oito o total de representantes da Turner na Série A. Sem contar que haveria um clube sem contrato a ser conquistado.

Só contando com um possível acesso do Coritiba e um rebaixamento sem clubes da Turner, o total de jogos entre os oito clubes “dela” no Brasileirão 2020 seria de 56. Ou seja, 14 partidas a mais do que o exibido em 2019. Como o limite contratual é de dois jogos por rodada (76 ao todo), seria possível transmitir todos esses 56, a menos que a CBF montasse uma tabela que colocasse, por exemplo, três partidas em uma mesma jornada.

O SporTV, que tem transmitido menos jogos que a média em 2019 para priorizar o PPV e estancar a perda de exclusividade do Premiere causada pela chegada da Turner ao Brasileirão, se veria diante de um escopo ainda menor de escolhas. Seriam 132 jogos “elegíveis”, contra 156 atualmente. O “limbo” de partidas sem transmissão possível nem no SporTV, nem na TNT, porém, cairia de 192 para 182.

Tudo isso será resolvido nas oito rodadas que faltam na Série A, e também nas seis que restam na Série B. A Turner ainda tem o Paraná Clube com chances de acesso, a quatro pontos do G-4. Guarani e Ponte Preta se arrastam na zona intermediária. Criciúma e Figueirense estão na zona de rebaixamento para a Série C.

– Portfólio do DAZN para 2020 está em jogo com Recopa e Sul-Americana

O DAZN deu sorte em seu primeiro ano de operação no Brasil por poder contar com a força do Corinthians na Copa Sul-Americana. Chegou a fazer a parceira RedeTV! liderar por alguns minutos, tendo sua maior audiência em anos, com uma partida da primeira fase da competição. Ainda dono dos direitos de transmissão da competição continental em 2020, o serviço de streaming aguarda para saber quais serão os clubes brasileiros que participarão dela no ano que vem.

Considerando a classificação do Brasileirão até a 30ª rodada, hoje os representantes do país seriam: Corinthians, Goiás, Bahia, Vasco, Fortaleza e Atlético Mineiro (o Internacional, sétimo colocado, herdaria a vaga do Athletico Paranaense na Libertadores, já que o Furacão foi campeão da Copa do Brasil. A ironia é que o Colorado foi o vice desse torneio). O DAZN teria a força de torcidas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, dois times fortes no Nordeste e outro do Centro-Oeste.

Mas há ainda outro fator que incide tanto sobre essa competição, como em outro produto do DAZN para 2020: a final da Libertadores 2019, entre River Plate e Flamengo. A decisão que deve acontecer em Santiago no dia 23 de novembro vai definir não só o campeão continental, mas também um dos times que estarão na Recopa Sul-Americana no ano que vem, competição exclusiva da plataforma de streaming. Ter um Flamengo nesse torneio de dois jogos seria uma atração e tanto para atrair novas assinaturas.

Mas, se o Brasileirão acabasse hoje com os classificados citados e o Flamengo conquistasse também a Libertadores, o DAZN perderia o time de maior torcida brasileira entre os atuais da zona da Sul-Americana. É que o G-6, que já teria virado G-7 por causa do Athletico em sexto lugar, passaria a ser um G-8 com o título rubro-negro na principal competição na Conmebol. E o Corinthians seria puxado para ela em 2020. Com isso, o Botafogo herdaria uma vaga na Copa Sul-Americana.

Como vimos, diferentes cenários que alteram bastante o potencial do produto que o DAZN poderá vender no mercado na próxima temporada.

– Fox e Globo na Libertadores 2020

Pensando no maior mercado publicitário do país, São Paulo, a Libertadores de 2020 foi uma verdadeira tragédia para a Globo, mas que acabou sendo contornada pelos ótimos resultados de audiência que o Flamengo conseguiu na emissora em seus mata-matas. O Palmeiras só avançou até as quartas de final e acabou ficando exclusivo do Fox Sports nesta fase e nas oitavas de final. O São Paulo FC, então, nem se fale. Eliminado na primeira fase preliminar, diante do Talleres.

Para 2020, o cenário é promissor com o público paulista. Palmeiras e Santos estão muito bem encaminhados para a confirmação de vagas diretas na fase de grupos da Libertadores. O São Paulo atualmente é o quarto colocado, tem vantagem curta para o Grêmio, mas seria beneficiado também caso o Flamengo seja campeão continental contra o River, porque a diferença para o clube seguinte nessa briga, o Internacional, é de seis pontos. E o Corinthians está vivo na disputa pelo G-6, que pode ser G-7 ou G-8.

Ou seja, pela primeira vez na história a Libertadores poderá reunir os quatro grandes de São Paulo em uma mesma edição. Considerando que todos disputem a fase de grupos, mesmo as exclusividades de Fox Sports e Facebook (a rede social mostra sozinha os jogos de quinta-feira) seriam mais facilmente atenuadas pela Globo na hora de escolher seus jogos para os paulistas. Sem contar que o Flamengo está garantido em mais uma edição, o que também tranquiliza a emissora pensando em Ibope.

Pensando em outros mercados, a Libertadores 2020 pode ter (e teria, se o Brasileirão acabasse agora) a dupla Grenal reunida. O Athletico Paranaense vem com a força de seu estado. E o próprio Flamengo, com o status de maior torcida do país, seria atração fundamental em qualquer plataforma.

– Copa do Brasil pode “sumir” da TV aberta em São Paulo no começo do ano

Agora que você já acompanhou os cenários possíveis, vamos trabalhar com a hipótese dos quatro grandes de São Paulo estarem classificados para a Libertadores. Eles entrariam automaticamente nas oitavas de final da Copa do Brasil, que normalmente só rolam a partir do mês de maio. A primeira fase, na qual 80 clubes se matam para chegar ao mesmo estágio dos times que chegam da competição continental (e também onde entram direto os campeões da Série B, da Copa Verde e da Copa do Nordeste), seria praticamente esquecida pela TV aberta para o público paulista.

Os dois representantes mais bem colocados no Paulistão 2019 e que herdariam as vagas nas fases iniciais da competição nacional de 2020 seriam Red Bull Brasil e Grêmio Novorizontino. Mas, como vimos acima, o campeão da Série B também disputa a Copa do Brasil no ano seguinte.

Atualmente, o líder isolado da segundona é o (Red Bull) Bragantino, e não poderia haver participação de dois times do mesmo grupo empresarial no torneio, fazendo com que a vaga muito provavelmente pulasse para as mãos da Ferroviária. Só times do interior, portanto, além dos que normalmente poderiam acessar a Copa do Brasil por ranking, como Ponte Preta, Oeste, Guarani, entre outros.

Como Vasco, Botafogo e Fluminense devem estar nessa fase inicial também, não haverá problemas para a Globo mostrar futebol no Rio de Janeiro com a Copa do Brasil quando o Flamengo vier a ficar exclusivo de Fox ou Facebook na Libertadores.

Allan Simon é jornalista esportivo desde 2011, tendo passado por redações como o R7, Abril.com, UOL Esporte e Torcedores. Participou das coberturas de duas Copas do Mundo, duas Olimpíadas, dois Pans, e diversos outros momentos históricos do esporte brasileiro nesta década. Criador do Prêmio Torcedores de Mídia Esportiva. Atualmente comanda o Blog do Allan Simon, é colaborador do UOL e colunista do Torcedores. 

LEIA MAIS
Allan Simon: Galvão Bueno ainda é muito necessário na televisão brasileira
– Allan Simon: Brasileirão da TNT é um campeonato melhor que o do SporTV
– Allan Simon: Tirar jogos da TV aberta é caminho errado para bombar PPV

– Allan Simon: Globo consegue quase 20% mais audiência com jogos de mata-mata em SP
– Allan Simon: Força do futebol faz Globo promover mudanças históricas em 2019