Calendário futebol masculino CBF 2020: algumas melhoras, mas longe do ideal

Criação da Supercopa do Brasil e redução de datas nos estaduais são destaques no calendário anunciado pela CBF, que ainda mostra velhos problemas

Luiz Mutschele
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: site oficial CBF

Ao anunciar o calendário do futebol brasileiro para 2020, a CBF afirmou que não veremos mais jogos de campeonatos em datas Fifa, além de criar a Supercopa do Brasil, título que marca o início da temporada do futebol brasileiro e será disputado entre o campeão do Brasileirão Flamengo e o campeão da Copa do Brasil, o Athletico Paranaense.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Este jogo está programado para o dia 19 de janeiro e será o primeiro título disputado durante a temporada. Vale explicar que para montar o calendário da temporada, a Confederação Brasileira de Futebol adota os seguintes procedimentos (fonte, site oficial CBF):

  1.  Inicialmente a FIFA marca suas 10 datas reservadas para jogos de seleções nacionais.
  2.  Depois, a Confederação Sul-Americana assinala as 20 datas destinadas às competições continentais que estão sob sua coordenação.
  3.  E, por fim, nas datas remanescentes, a CBF insere as competições sob a sua tutela, além de definir o período destinado aos estaduais.

Com base nisso, as datas das competições nacionais ficaram desta forma:

  • Supercopa do Brasil – uma data em 19 de janeiro.
  • Estaduais – 16 datas entre 22 de janeiro e 26 de abril.
  • Copa do Brasil – 19 datas entre 5 de fevereiro e 16 de setembro.
  • Campeonato Brasileiro – 38 datas entre 3 de maio e 6 de dezembro.

Calendário mudou, mas não tanto quanto se imagina

Um dos grandes destaques entre os anúncios foi a questão das datas FIFA sem jogos, como destacou o presidente da CBF Rogério Caboclo durante a apresentação:

“Conseguimos definitivamente liberar as Datas FIFA, para que partidas de clubes e Seleção não se sobreponham. Não podemos concorrer com nós mesmos”.

Segundo as regras de liberação, é preciso entregar os jogadores de quatro a cinco dias antes de jogos oficiais e 48 horas antes de jogos amistosos. De fato aqui houve uma mudança positiva, pois em todos os casos o tempo mínimo para liberação foi respeitado, permitindo que o atleta atue na última partida antes da paralisação, como podemos ver abaixo:

  • 1ª data FIFA em março (dias 28 e 31)/último jogo de clubes dia 22 de março.
  • 2ª data FIFA em junho (dias 4 e 9)/último jogo de clubes dia 31 de maio.
  • 3ª data FIFA em setembro (dias 3 e 8)/último jogo de clubes dia 30 de agosto.
  • 4ª data FIFA em outubro (dias 8 e 13)/último jogo de clubes dia 3 de outubro.
  • 5ª data FIFA em novembro (dias 12 e 17)/último jogo de clubes dia  8 de novembro.

Porém os problemas começam já em janeiro e justamente com a nova competição organizada pela CBF: a Supercopa do Brasil. Programada para o dia 19 de janeiro, ela ocorre dois dias antes do final da pré-temporada, que ocorre do dia 8 ao dia 21 de janeiro. Ou seja Flamengo e Athletico Paranaense serão obrigados a fazer uma preparação com tempo ainda menor que o atual de 13 dias.

Problema ainda mais grave ocorrerá durante a Copa América. Disputada entre 12 de junho e 12 de julho, teremos nada menos que 10 rodadas do Brasileirão da série A  acontecendo em paralelo com a competição continental. Atualmente com o grande número de jogadores sul-americanos atuando no Brasil, sendo que muitos ocupam papéis de protagonismo em seus clubes, além claro de possíveis convocados pela seleção brasileira, a chance é imensa de diversos clubes jogando quase um terço da principal competição nacional sem seus principais atletas.

Aqui temos um retrocesso ao criticado calendário de 2019, que apesar de muitos problemas, fez uma parada durante a Copa América, disputada em território nacional. Vale destacar ainda que no dia 15 de junho, apenas três dias depois do final da competição continental em 2020, teremos os jogos de ida das quartas de final da Copa Do Brasil, onde provavelmente teremos jogadores voltando desgastados para jogarem pelos seus clubes depois do torneio de seleções.

Ainda que se possa argumentar que o problema na próxima temporada será a Copa América, que ocupará um mês do calendário, é preciso considerar que pelo menos a cada dois anos teremos o mesmo problema, seja pela competição continental, seja pela Copa do Mundo.

Exceção ao Brasileirão que tem fixas suas 38 datas, Copa do Brasil com 19 datas e Estaduais com 16 ainda mostram competições com excesso de datas e que poderiam ficar bem mais enxutas, de forma a não sobrecarregar o calendário dos clubes, assim como permitir que durante as competições de seleções não ocorram jogos, o que acaba “concorrendo com nós mesmos” como disse o presidente da CBF durante o anúncio do calendário.

Leia mais:

Brasileiro Tetê pode deixar Shakhtar Donetsk rumo a Itália

Atlético-MG: garantir vaga na Sul-Americana deve ser prioridade da equipe

Ezequiel Barco pode sair do Atlanta FC rumo a Europa