Colunistas Torcedores opinam: saldo da Seleção Brasileira em 2019 foi positivo ou negativo?

Seleção termina 2019 com título da Copa América, mas tropeços recentes levantam dúvida sobre trabalho de Tite

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores

Crédito: Lucas Figueiredo/CBF

A Seleção Brasileira encerra a temporada 2019 com vitória por 3 a 0 sobre a Coreia do Sul em amistoso realizado para apenas cinco mil pessoas em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Foi o fim de um jejum de cinco jogos sem vitórias após o título da Copa América, período que gerou questionamentos: será que o ano foi bom pelo título ou ruim pelo desempenho?

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Conversamos com os colunistas do Torcedores.com e as opiniões foram diversas, mas na mesma linha: o desempenho foi pior que o título da Copa América, especialmente por escolhas questionáveis de Tite.

Veja abaixo as opiniões dos colunistas do Torcedores:

Arnaldo Ribeiro

Tite tirou a zica, teve até gol de falta, Brasil não ganhava há algum tempo, mas o jogo serve para resumir o que foi a temporada da Seleção Brasileira, foi decepcionante, não livra o 2019 mesmo com o título da Copa América. O Brasil do Tite está devendo futebol, nova forma de jogar, alma, entrega, novidade. O Brasil do Tite está devendo. Hoje não há nenhuma ameaça interna, mas o parâmetro e a ameaça é o Flamengo do Jorge Jesus. Está jogando mais que a Seleção. É um incômodo que o Tite tem que levar. A última vez que o Flamengo pressionou a Seleção Brasileiro foi no final da década de 80, começo da década de 80, quando depois da Copa do Mundo de 1978 a Seleção treinada por Cláudio Coutinho jogou um futebol de resultado. O Flamengo do Zico começou a jogar mais na década de 80 e o Telê Santana usou o Flamengo como inspiração e formou a Seleção da Copa do Mundo de 1982 baseada no Flamengo. Não ganhou, mas encantou. O Tite tem essa missão: ganhar e encantar.

Vitor Guedes

O Brasil acabou com o jejum pós-Copa América: 3 a 0 fora o show. Achamos o 10, Lucas Paquetá, Danilo “Alberto Torres” fechou o placar. Coutinho acabou com a espera de cinco anos por um gol de falta. Vocês acham que Jorge Mendonça, Neto, Marcelinho cobram falta? Vocês não viram Philippe Coutinho. Esse é o Brasil que conquistou a Copa América e não significou nada. Renan Lodi foi uma surpresa, descobriram agora que ele joga mais que o Alex Sandro. A data FIFA foi uma grande derrota institucional, uma vergonha, o calendário é ridículo, que não parou o Brasileirão, não tinha ninguém do Flamengo na Seleção. Jogamos em uma ditadura sanguinária da Arábia Saudita na sexta-feira. Nesta terça (19) jogamos para menos de cinco mil pessoas em Abu Dhabi. É uma vergonha. Ganhou, legal, mas não serviu para nada. Nas eliminatórias vai jogar com jogadores que atuam no Brasil, com Neymar. Ganhar é melhor que perder, mas achar que Paquetá é o 10, que Danilo é o lateral da Copa, que Coutinho pode ser batedor de falta… Se for para pensar assim, foi pior ganhar o jogo. Tite foi muito ruim no pós-Copa América. Só vale a Copa do Mundo. Tem que pensar lá e não ganhar amistoso. Danilo não vai jogar Copa, Paquetá para mim não é de Seleção. Lodi jogou melhor que o Alex Sandro, Fabinho merecia o lugar no time. Pensar jogo a jogo como se não fosse ganhar da Coreia, como se não fosse classificar para a Copa do Mundo é uma piada. O lixo da CBF precisa melhorar a imagem da Seleção Brasileira e não jogar na Arábia Saudita para ninguém. Isso é importante: resgatar a imagem da Seleção Brasileira.

André Schmidt

Tite tinha um objetivo claro para a Seleção Brasileira em 2019, que era conquistar resultados. Foram 16 partidas disputadas, oito vitórias, seis empates e duas derrotas. Mais importante foi o título da Copa América. Em relação a resultados ele cumpriu o papel dele, apesar de empate com Panamá, derrota para a Argentina e Peru, mas o que pesa realmente é o desempenho. O pessoal cobra do Tite em relação às melhorias para a Seleção. Fez uma partida ‘ok’ contra a Coreia, nada demais, nada de muito diferente do que já apresentou. Talvez a mudança do Fabinho no lugar do Casemiro, um time um pouco mais leve, é o que tem que ser cobrado do Tite quando se fala em um time mais ofensivo, não necessariamente por ter mais atacantes, pelo contrário. A ideia do time atacar aqui é quando se fala sobre Jorge Jesus no Flamengo, Sampaoli no Santos, o time em bloco de maneira ofensiva. Volantes com chegada de trás facilita isso. O Brasil peca muito em movimentação, é estático, é uma constante do time do Tite. É tudo muito pragmático. Você não tem objetivo na jogada. Os jogadores esperam pela bola, não é constante que deem opção para o passe. Trabalhar com clube é diferente do que com Seleção. O temo para botar algumas ideias é inferior, mas o Tite não consegue aproveitar o que muitos desses jogadores já fizeram em suas equipes. Algumas opções são questionáveis. Talvez ano que vem, com outra Copa América, seja o limite para ele fazer um trabalho tendo todos os jogadores como opção. Dessa vez não convocou jogadores que atuam no Brasil e devem aparecer. Como ele vai aproveitar os jogadores, tirar o melhor dos jogadores em suas posições, talvez seja a missão do Tite para 2020.

Allan Abi Madi

Depois de ser derrotado jogando muito mal para a Argentina por 1 a 0, a Seleção se reabilitou, ao menos no placar. O futebol foi melhor no primeiro tempo, para mim em função do início da quebra da teimosia do Tite com alguns jogadores, com esquema tático. Achei que a Seleção se movimentou melhor, Coutinho mais à vontade, a zaga mais rápida, o Renan Lodi já merecia uma oportunidade no time titular, o Alex Sandro não vinha bem nas partidas, e o Brasil encontrou o placar de 3 a 0. Passou um pouco de aperto no fim do primeiro tempo, mas conseguiu uma vitória para dar um respiro. Alguns aspectos positivos foi que finalmente o Tite começou a fazer mudanças. O Fabinho, por exemplo, já merecia começar jogando como iniciou. O Marquinhos é um zagueiro rápido, que ajudou no meio, também começou jogando. Mas um ponto negativo é que o Tite segue pegando muito nas substituições, principalmente na demora. O Brasil fez 3 a 0 sobre a Coreia do Sul no primeiro tempo, poderia ter lançado o Rodrygo, destaque do Real Madrid, nada mais justo que dar oportunidade para ele desenvolver seu futebol. Dessa vez foi com o Rodrygo, já foi com o Vinícius Júnior. A Seleção que tanto pede renovação acaba demorando a fazer os testes, porque o Tite ainda está focando em resultados, em tirar a pressão, e desperdiça as oportunidades de dar jogo a jogadores que podem provar serem úteis para a Seleção no presente e no futuro.

Mauro Beting

50 anos do milésimo gol do Pelé e em homenagem ao Rei do Futebol, ao Rei do Peixe, que viu de peixinho o camisa 10 do Brasil fazer o primeiro gol sobre a Coreia do Sul, gol de Paquetá, tão criticado indevidamente. Mandou bem o Rivaldo se explicando que não foi aquilo que ele quis dizer e mandou bem o Tite em mudar o time. Mas depois dos 40 do segundo tempo colocar o Rodrygo? Eu sei que já estava definido, que o Renan Lodi se definiu como a melhor opção para a lateral-esquerda, deu passe para o gol do Danilo. Depois de 600 anos, depois de 72 jogos o Brasil voltou a fazer gol de falta, golaço do Philippe Coutinho. Sem Neymar, sem o melhor futebol, contra uma frágil Coreia do Sul, o Brasil voltou a vencer, mas para jogar em nível de Seleção Brasileira falta muita coisa.

Leia mais:
Gol de falta da Seleção sai com empolgação de Luís Roberto e sem corneta de Galvão