Ex-roupeiro da seleção brasileira é diagnosticado com câncer e filho faz vaquinha na internet para pagar tratamento

Barreto trabalhou na CBF por quase três décadas e, agora, precisa de ajuda financeira para tratar a doença

Daniel Servidio
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo. 22 anos. Acredita que o mundo é feito de histórias.

Crédito: Rafael Ribeiro / CBF

Rogelson Barreto foi roupeiro da seleção brasileira por mais de 25 anos. Participou de cinco Copas do Mundo – inclusive nos títulos mundiais de 1994 e 2002. Ele foi demitido da CBF depois da Copa do Mundo de 2014, junto com toda a comissão técnica da época, e hoje, aos 61 anos, recebe uma aposentadoria de um salário mínimo. No começo deste mês, Barreto foi diagnosticado com câncer de reto. Desenvolveu, também, a síndrome de Fournier – uma infecção rara e grave. Para custear o tratamento das duas doenças, o filho do ex-roupeiro criou uma vaquinha na internet.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

A ideia de Bernard Barreto é chamar atenção dos jogadores que trabalharam com o pai, principalmente. Ele pretende conseguir R$ 150 mil, que serão usados para transferir Barreto, que está internado em um hospital municipal de Maricá, para um hospital particular que possa tratar do câncer e da síndrome de Fournier. A vaquinha teve início no último dia 9 e arrecadou, até a publicação desta reportagem, quase R$ 4 mil. Barreto tem um quadro estável, mas ainda não pôde começar o tratamento.

“Meu pai passou mal no último dia 30, e um médico proctologista suspeitou de câncer. O exame pelo SUS demoraria 45 dias, só que, com a ajuda de amigos e parentes, conseguimos pagar por uma biópsia que confirmou a doença”, contou Bernard, em entrevista ao Torcedores.

Nos últimos anos, Barreto fez alguns trabalhos como roupeiro no Boa Vista, do Rio de Janeiro, sem ser de maneira fixa. Na época em que foi demitido da seleção brasileira, o ex-roupeiro disse, em entrevista ao Estadão, que “saiu de lá tonto e sem chão” e que “meu futuro tem de ser como roupeiro”. Ele move uma ação trabalhista contra a CBF desde então. A reportagem comunicou a entidade sobre a situação atual de Barreto e questionou sobre uma possível ajuda no tratamento do câncer – não houve resposta até o fechamento da matéria, no entanto.

Por outro lado, a vaquinha já contou com o apoio de alguns jogadores que estiveram no grupo pentacampeão do mundo em 2002 – como o ex-goleiro Marcos e o ex-volante Edmilson. Barreto tinha boa relação com os atletas que vestiam a camisa canarinho. Antes dos jogos, por exemplo, ele usava as chuteiras de Ronaldo para que fossem amaciadas até serem calçadas pelo ex-centroavante. O Fenômeno, inclusive, o presenteou com o par de chuteiras usado naquela Copa do Mundo. Em 2014, o grupo que disputou o torneio mundial no Brasil comemorou o aniversário do roupeiro na concentração, com direito a bolo e cantos de “parabéns pra você”.

“Eu sei que é sonhar alto, mas meu pai merece uma chance, uma oportunidade de se curar”, disse Bernard. “Temos a expectativa de que algum jogador que trabalhou com ele, que saiba a pessoa maravilhosa que meu pai é, entre em contato conosco”, completou.

LEIA MAIS:
Sem Neymar, Lucas Paquetá será o camisa 10 da seleção; veja a numeração dos jogadores