Ídolo do basquete nacional Oscar Schmidt será homenageado com o Troféu Adhemar Ferreira da Silva

Ex-jogador de basquete com mais pontos em Jogos Olímpicos receberá a homenagem do COB na cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico 2019

Bárbara Ribeiro
Colaboradora do Torcedores.com.

Crédito: Fiba/Divulgação

Nesta sexta-feira (22), o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) divulgou que Oscar Schmidt, o Mão Santa, vai receber o Troféu Adhemar Ferreira da Silva, por representar valores como eficiência técnica e física, espírito coletivo e dedicação. A homenagem será na cerimônia de entrega do Prêmio Brasil Olímpico, que premia os melhores atletas brasileiros da temporada de 2019 em suas modalidades. O evento acontece no dia 10 de dezembro, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro.

Conheça a TV Torcedores, nosso canal no Youtube!

Não esqueça de seguir a gente no Instagram!


“Além de toda a qualidade técnica e daquele inesquecível título de 1987, o Oscar é um grande exemplo para os novos atletas por sua dedicação e o mais alto nível de desempenho. É importante destacar também o espírito de equipe que sempre marcou a carreira do nosso cestinha e todo seu amor pela seleção brasileira. Por tudo isso, fico muito satisfeito de entregar o Troféu Adhemar Ferreira da Silva para o Oscar”, disse Paulo Wanderley Teixeira, presidente do COB.

“Uma honraria incrível, nem acredito que isso está acontecendo comigo. Fazer parte desse grupo de grandes atletas, grandes personagens do esporte, já me faz muito feliz. Quem diria que eu ia chegar nesse ponto? Só tenho a agradecer ao COB e a todos que me indicaram a esse prêmio. Muito obrigado”, comentou Oscar Schmidt.

Trajetória

Nascido em Natal, no Rio Grande do Norte, Oscar Schmidt viveu também em Brasília e São Paulo. Entrou para a história do esporte olímpico nacional nos Estados Unidos. Mas, diferentemente de muitos atletas do basquete que se dedicam à NBA, principal liga da modalidade no mundo, Oscar se recusou a jogar o campeonato para poder continuar defendendo a seleção brasileira.  Até 1989 apenas amadores poderiam jogar os torneios de seleções.

Mesmo sem ter atuado na NBA, foi considerado um dos maiores jogadores da modalidade de todos os tempos. Conquistou o bronze no mundial de basquete de 1978. Também esteve em cinco jogos olímpicos (entre moscou 80 e Atlanta 96).

Em Indianópolis 1987, liderou o time do Brasil na conquista do ouro nos Jogos Pan-americanos derrotando os EUA por 120 a 115, de virada. Oscar também disputou os Jogos Olímpicos de Moscou 1980, Los Angeles 1984, Seul 1988, Barcelona 1992 e Atlanta 1996. E é o recordista de participações na modalidade, com cinco, ao lado do porto-riquenho Teófilo Cruz e do australiano Andrew Gaze. Além disso, é o maior pontuador da história do basquete, com 49.737 pontos, superando o americano Kareem Abdul Jabbar.

Após deixar às quadras, passou a ministrar palestras onde conta um pouco de sua trajetória, suas dificuldades, obstáculos, e sobre a cura de um tumor no cérebro.

Além do Troféu Adhemar Ferreira da Silva, Oscar Schmidt já recebeu diversos prêmios em sua carreia. Inclusive, foi nomeado como um dos 50 Maiores Jogadores de Basquete da História pela FIBA em 1991. Em 2010, foi incluído no Hall da Fama da FIBA, em reconhecimento ao que jogou em competições internacionais. Já em 2013 Oscar colocou seu nome no Hall da Fama do Basquete dos EUA.

Leia mais: