Marcos Braz abre o jogo e fala sobre Gabigol, Jorge Jesus, Liverpool e futuro do Flamengo

Vice-presidente de futebol do Flamengo, Marcos Braz foi o responsável por conduzir negociações com Gabigol e Jorge Jesus

Paulo Silva
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Foto: Divulgação/Twitter Flamengo

Frio e calculista. Marcos Braz, uma dos grandes responsáveis pelo ano de sucesso Rubro-Negro, ficou marcado por seu jeito “gelo no sangue” de ser. Ele foi crucial para a vinda de Jorge Jesus ao Flamengo no meio do ano, fator determinente para a arrancada do clube para pintar o Brasil e a América de vermelho e preto – quiçá, o mundo.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

O vice-presidente do Flamengo viu o clube conviver com fracassos nos últimos anos, quando bateu na trave diversas vezes e ficou apenas no “cheirinho”. No entanto, todo esforço nos bastidores e investimentos certeiros deram certo em 2019, e o Rubro-Negro colheu frutos por um planejameno exemplar no futebol brasileiro.

Diego Ribas Flamengo

Condutor de investimentos que culminou no grande time atual do Fla, Marcos Braz abriu o jogo sobre o futuro do Flamengo e comentou sobre as situações de Gabigol e Jorge Jesus, além de declarar detalhes sobre os dias de glória, em entrevista ao Globoesporte.com.

“Eu não sei nem se a ficha já caiu. Essa que é a verdade. Só quero que chegue logo o jogo com o Ceará para pegar mais uma taça. O que eu sei daqui para frente é que a torcida do Flamengo sabe cobrar e ano que vem vai querer mais títulos”

Hegemonia?

“Não penso em hegemonia. Penso sempre em ganhar o próximo. O próximo é o Mundial, depois temos a nova Supercopa do Brasil em janeiro. Hegemonia se cria no dia a dia, não só com projeto e pensando para frente. Temos que botar as coisas para andar de uma maneira correta e sem achar que está tudo certo porque ganhou três títulos. Temos que fazer ajustes e construir. Temos três anos de mandato, passou o primeiro. O Landim quer ganhar e cobra muito por isso. Está sempre atento ao futebol e é participativo. Vamos tentar ganhar o máximo possível.”

Flamengo Copa Libertadores

Negociações com Gabigol 

“Já andou um pouquinho. As pessoas que tomam conta da carreira dele são sérias, o Flamengo também. O Gabriel é campeão, o Flamengo também. Lógico que os dois gols foram importantíssimos, mas não tem muito o que falar em relação a isso. Naquela minha entrevista tempos atrás, parecia que tinha algum problema, mas não tem problema nenhum”

“Se tem uma pessoa que brigou para ele estar aqui, fui eu. Claro que tive todo apoio do presidente, de outras pessoas, mas sempre acreditei no futebol e nas características dele. Acho que era o que o Flamengo precisava. Estou muito tranquilo e feliz com o Gabriel e os gols dele. Tudo será resolvido na hora certa.”

Gabigol Flamengo

Contratação de Jorge Jesus

“Tenho nacionalidade portuguesa e já conhecia o trabalho dele. Ainda durante o Carioca, um ex-jogador me falou dele e cortamos na mesma hora. Estava com o Pelaipe (gerente de futebol) no carro e na mesma hora descartamos. Falamos que teríamos o Estadual para decidir, que não íamos trocar o Abel. Mas conversei com o Pelaipe sobre o Jorge Jesus, do que ele fez no Benfica. Nada além.

Quando soubemos que ele ia ver o jogo contra o Atlético-MG, pensei: “Poxa, será que ele quer mesmo ir para o Brasil?”. Fiz contato com uma pessoa e pedi uma reunião para conhecê-lo, avisei ao Bruno (Spindel) e conversamos. Dois dias depois, tivemos a surpresa do pedido de demissão do Abel. Como estávamos na Europa, intensificamos as coisas. O Landim viajou para a final da Champions e a coisa aconteceu.

A diretoria teve méritos. Logo que ele chegou, fomos muito questionados pela maneira intensa dos treinamentos, pela eliminação na Copa do Brasil, pela derrota para o Emelec, mas a coisa foi acontecendo. E o resultado todos estão vendo aí.”

Escolhas por Gabigol e Jorge Jesus

“Escolhas bem particulares minhas, mas sempre referendado pelo presidente Landim. Ele é quem dá a tranquilidade para que possamos chegar e fazer tudo que foi feito no Flamengo. Tem também o conselho do futebol, que são pessoas que analisam e dão opinião. O acerto é de todo mundo. Quem pôs o nome do Jorge fui eu, mas todos têm crédito, principalmente o Landim.”

Mundial de Clubes

“Se tiver que ser, vai ser. O Flamengo tem que ir para o Mundial sabendo o que vai enfrentar. Primeiro, temos uma semifinal, e é nisso que temos que pensar. Caso aconteça o confronto com o Liverpool, acredito que qualquer relação com o passado não é correta. Cada time tem sua história, mas só um tem o Zico. Isso é bom deixar claro.

Liverpool na Premier League

Se enfrentarmos o Liverpool, o favorito vai ser o Liverpool. E isso não é demérito algum para o Flamengo. O fato de um ou outro ser considerado favorito não diminui em nada o apetite do clube na busca por esse título.”

LEIA MAIS:

Em meio à polêmica, CBF diz que o Flamengo merece ser considerado “hepta” Brasileiro