Você sabia que o rugby tem seu VAR e que o funcionamento é bem diferente do futebol?

No rugby, o TMO é acionado quando o árbitro tem dúvida, mas juiz de vídeo tem autonomia para tomar decisões e comunicá-las ao oficial de campo

Virgílio Neto
Colaborador do Torcedores

Crédito: Shaun Botterill/Getty Images

Chegou ao fim da nona edição da Copa do Mundo de rugby, história recente em comparação com eventos como a Copa do Mundo Fifa ou os Jogos Olímpicos de verão, mas já é o terceiro evento esportivo mais visto do planeta. Uma das explicações para o sucesso é que a competição estabeleceu desde o começo uma marca própria, aliada a um excelente esforço de marketing e comunicação, além de trabalho comercial bastante forte, que atrai, retém patrocinadores globais e mantém uma base sólida de fãs.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

O TMO é acionado todas as vezes em que o árbitro possui alguma dúvida ou em alguma ocasião em que se viu algo que em campo não foi observado, logo após a execução do lance.

O árbitro de TV pode decidir. Se ele não consegue averiguar o lance, concede a decisão para o árbitro em campo. Ademais, a comunicação entre o árbitro no gramado e o da TV é aberta para todo o estádio pelo sistema de som e o vídeo, reproduzido no próprio telão. Toda a torcida acompanha a jogada. A análise não é feita através do telão; o árbitro em campo vê por ele, mas quem a verifica, em cabine e monitores específicos, é o árbitro de TV.

Outro conceito usado em mundiais de rugby anteriores e que tomou conta nas transmissões esportivas de diversas modalidades é a “spider-cam“, que acompanha o lance por cima e se desloca através de cabo, a proporcionar visão e leitura impressionantes. O que tem sido experimentado nesta Copa do Mundo de rugby é a câmera 3D, que acompanha o lance como se fosse um torcedor dentro de campo.

No que diz respeito à duração de um Mundial, que assim como no futebol acontece de quatro em quatro anos, um fator preponderante é a necessidade de descanso pós-jogo. A modalidade exige bastante fisicamente, o contato físico é grande e o número de movimentos de grande intensidade é altíssimo. Explosão e resistência são essenciais, e o descanso tem de ser proporcional ao esforço. Por isso, o intervalo entre partidas é grande, e o torneio leva cerca de um mês e meio para ser concluído.

O rugby é uma modalidade com muita tática e estratégia: manter a bola longe do seu campo de defesa (é por isso que em muitas situações chuta-se a bola para o adversário), conquistar território a avançar passando a bola para trás e, quando sem bola, a pressionar o adversário em seu campo de defesa. Contato físico existe frequentemente, mas com muitas regras para proteger o atleta e, ao mesmo tempo, com muita tecnologia para proporcionar um melhor espetáculo a fim de cativar o torcedor. 

LEIA MAIS:

RUGBY: Pais e mães orgulhosos têm acompanhado seus filhos na Copa do Mundo

África do Sul conquista sua terceira Copa do Mundo de Rugby