Adilson Batista ‘convoca’ torcida do Cruzeiro para decisão na última rodada: “Temos que unir quem ama o clube”

Em jogo válido pela 37ª rodada do Brasileirão, o Cruzeiro perdeu para o Grêmio por 2×0 e se complicou na briga contra o rebaixamento. O treinador Adilson Batista falou sobre o resultado

Diego Lucio Castro de Oliveira
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Site Oficial - Cruzeiro

E vai ficando cada vez mais dramática a situação do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro. A equipe mineira perdeu mais uma, agora para o Grêmio em Porto Alegre. O placar de 2×0 deixou a equipe em situação crítica para a última rodada. Com 36 pontos, o Cruzeiro precisa vencer e torcer para uma derrota do Ceará, para se manter na Série A. Qualquer outra combinação de resultados, rebaixa a Raposa para a Série B de 2020.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

O técnico Adilson Batista ressaltou a força da torcida do Cruzeiro, e pediu o apoio para a decisão de domingo contra o Palmeiras.

“Eu gostaria que eles fossem. O cruzeirense que ama o clube. Os oito milhões de apaixonados. Que fossem ao Mineirão e procurassem dentro da razão, transmitir toda a vibração, carinho e energia para o clube. Sei que ele está um pouquinho chateado com muitas coisas que aconteceram na temporada. Eu tenho carinho pelo clube e sentimos isso. Temos que unir quem ama o clube.”

Adilson falou sobre o lado emocional do grupo, e reforçou o chamado da torcida.

É preciso recuperar estes jogadores. O lado emocional é fundamental agora. É repouso, conversa para que a gente faça um grande jogo e vença o Palmeiras, no domingo. É o que nos resta. O torcedor colocará a bola no domingo.

O Cruzeiro de Adilson Batista, encara o Palmeiras no próximo domingo(8), às 16hs no Mineirão.

LEIA MAIS
Pedro Rocha lamenta mais uma derrota do Cruzeiro e fala em ‘jogo da vida’ na última rodada
Gabriel Veron brilha, e Palmeiras goleia Goiás por 5×1 pelo Brasileirão
Jovem do Grêmio faz primeiro gol pelo profissional e se empolga: “Não tenho nem palavras”