Daniel Santa Cruz supera drama de acidentes e vence no retorno ao MMA

Lutador da Pitbull Brothers teve a carreira interrompida por dois acidentes de moto

Victor Martins
Um homem que acredita ser jornalista, escritor e 'chato'. Decidam vocês qual será a opção escolhidaFormado na Universidade Metodista de São Paulo. No Torcedores desde 2016 ou algo pareciod.

Crédito: Divulgação

Daniel Santa Cruz é mais um exemplo de superação entre os atletas de MMA pelo Brasil. O lutador passou por momento difícil na carreira ao sofrer dois acidentes de moto, mas superou ambos e conseguiu a vitória em seu retorno às lutas.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram 

O atleta, que é da Pitbull Brothers, venceu seu duelo no Natal Fighting Championship no último final de semana. Uma vitória com gosto de alívio para alguém que quase viu sua carreira ser prejudicada por acidentes, que o afastaram por três anos das lutas.

“As duas vezes em que me acidentei foi indo para o trabalho. Na primeira, bateu numa vaca na BR, quebrei um braço e outro teve hemorragia e tive que fazer raspagem no osso. Me recuperei e já estava voltando a lutar quando sofreu outro acidente na BR, por causa de um motorista embriagado. Depois desses dois acidente achei que não iria poder mais lutar, mas Deus me deu muitas forças para vencer essa batalha. Eu nunca pensei em desistir”, declarou Daniel.

A própria trajetória de vida de Santa Cruz é de superação. O lutador teve o pai assassinado e foi criado pelos avós. Trabalho na agricultura, fazendo funções como as de vaqueiro e ordenhador. Agora, em Natal, treina com a Pitbull Brothers, na qual agradece por ter acreditado em seu potencial no MMA.

“Fui criado no interior, trabalhando com os meus avós e fazendo um pouco de tudo. Com 20 anos, depois que meu avô faleceu, vim para Natal para me tornar lutas. Tinha lutado duas vezes no interior e na terceira conheci o mestre do Patrício Pitbull e ele me chamou para treinar no time deles. Foi difícil e continua sendo e até hoje o Patrício me dá suporte, passei cinco anos morando na casa dele. Se eu tivesse lutando numa grande organização, talvez eu pudesse viver só de luta. Mas enquanto esse dia não chega, só tenho a agradecer por conseguir voltar a lutar”, disse.

LEIA MAIS

Envolvido em morte de enteada de Walt Harris pode ser condenado à pena de morte, diz site

(Crédito da foto: Divulgação)