Em São Paulo, Lucas di Grassi conversa com os jornalistas sobre o futuro automotivo

O piloto Lucas di Grassi recebeu, nesta terça-feira (17), jornalistas para falar da carreira na FÓrmula E e mobilidade elétrica. O encontro ocorreu na Sociedade Hípica Paulista, em São Paulo (SP).

Rodrigo Nascimento
Colaborador do Torcedores.com, amante dos esportes americanos e do automobilismo.

Crédito: Foto: Flavio Pérez

Campeão da terceira temporada da Fórmula E, Lucas di Grassi abriu sua palestra aos profissionais de mídia falando do futuro do automobilismo e da indústria automotiva elétrica.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

O brasileiro da Audi Sport ABT Schaeffler apresentou algumas ideias discutidas no início de dezembro durante o  World Motorsport Symposium, evento que discutiu os avanços do setor em Londres, na Inglaterra.

Para Lucas di Grassi, os eventos precisam cada vez mais se adequar à sustentabilidade e reduzir valores para tornar as competições mais atrativas.

”Entretenimento, desenvolvimento tecnológico e custo são os três pilares que um campeonato deve balancear para crescer”.

”Um evento desde o kart indoor do final semana até um grande Campeonato Mundial  deve ter esse equilíbrio para que ele se torne sustentável a longo prazo!”.

”Por exemplo, se você aumenta a parte de desenvolvimento você aumenta o custo, se você tenta aumentar o entretenimento o desenvolvimento diminui, então uma coisa está ligada com a outra e esse é o grande desafio de todas as categorias para o futuro”.

Di Grassi explicou que a Fórmula 1 está tentando achar seu balanço, pois continua com um custo muito elevado e o entretenimento relativamente baixo com apenas três equipes ganhando a corrida.

Já na Fórmula E, categoria que o piloto está desde o início, a diferença do primeiro para o último é menor do que a diferença entre o terceiro e quarto na F1.

”A Formula E conseguiu esse equilíbrio de uma maneira bem interessante, limitou o desenvolvimento tecnológico só do motor, e os motores são praticamente iguais hoje em dia”.

”O entretenimento é muito alto porque os carros são muito parecidos e o custo está baixo porque como só liberou o motor, o custo para desenvolver um carro da Formula E é muito menor. Desta maneira a Formula E está provando que está gerando mais valor”.

Na edição 2019-20 da Fórmula E, Lucas di Grassi é o quinto colocado com 18 pontos após dois eprix disputados.

O piloto ficou em segundo lugar na prova de Diriyah E-Prix, na Arábia Saudita, em novembro.

O próximo ePrix está marcado para 18 de janeiro, em Santiago, no Chile. A sexta temporada tem ao todo 14 provas.

O paulista é presidente da Roborace e embaixador da ONU sobre o Meio Ambiente.

Ele foi eleito Capacete de Ouro 2019 na categoria Fórmula Top, a principal do chamado ‘Oscar do automobilismo brasileiro’.

Lucas tem sido eleito como melhor piloto na badalada premiação, consecutivamente, desde 2016.

O piloto Lucas Di Grassi também figura como nome histórico na Fórmula E, com nada menos que 31 pódios nas 60 corridas da categoria.

LEIA MAIS:
Fórmula E: Confira na íntegra o documentário “The Race for Clean Air”