George Russell ganha elogios e é comparado a Mansell por chefe da Williams

George Russell não fez nenhum ponto em seu ano de estreia na F1

Carlos Lemes Jr
Colaborador do Torcedores.com.Jornalista formado, desde 2012, e no Torcedores, desde 2015. Matérias exclusivas pelo site publicadas nos portais IG, MSN e UOL.

Crédito: Divulgação/Williams

Apesar de ter passado “zerado”, em seu ano de estreia, no Mundial de pilotos, George Russel foi bastante elogiado por Claire Williams, chefe da equipe de mesmo nome. Vale lembrar que, Robert Kubica, conseguiu o único ponto do time na temporada de 2019.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

“Fiquei deslumbrada com George. A menos que você esteja dentro da equipe, não sabe exatamente quão duro foi. George entendeu isso, mas também explicamos a ele tudo para não ter surpresas. Ele se comportou de forma exemplar, sabemos que para ele foi difícil não ter um carro que queria. Não deve ter sido fácil para ele ver Lando Norris e Alex Albon, que saíram junto com ele da F2, com carros tão mais competitivos que o dele”, disse Claire ao Motorsport.com.

Tamanha admiração rendeu até uma inusitada comparação de Russell com Nigel Mansell, por parte da filha de Frank Williams.

“Ele é um dos pilotos que, com carro competitivo, vai brilhar. Ele impressiona nas classificações. É meio que como Nigel Mansell, tira tudo do carro e, mesmo que fique 1s atrás do Q2, está fazendo voltas impressionantes”, completou a dirigente ao comparar o inglês de 21 anos com seu compatriota, campeão da F1 em 1992, pela mesma Williams.

George Russell chegou na Fórmula 1 como campeão da F2 2018 e, em 2020, terá como companheiro de equipe, o canadense Nicholas Latifi.

LEIA MAIS

Bia Figueiredo comanda time feminino nas 500 Milhas de Kart

Leclerc confirma bom relacionamento com Sebastian Vettel

Sprint Race define campeões de 2019 neste final de semana

Verstappen diz que 60% do grid da Fórmula 1 seria campeão com a Mercedes

Vettel se coloca como o segundo melhor alemão da história da Fórmula 1