Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

O que esperar do surfe do Brasil em 2020

Ítalo Ferreira, Gabriel Medina, Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima representarão o Brasil nas Olimpíadas de Tokyo 2020. A brazilian storm promete show de surfe no CT. Saiba o que esperar do surfe em 2020

Juliana Puttini
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/WSL

O ano de 2020 será especial para o surfe. Pela primeira vez na história, o esporte participará da maior competição esportiva do mundo: Os jogos olímpicos.

O Brasil entra como um dos grandes favoritos a levar a medalha de ouro no masculino, isso porque, contará com nada menos que o atual campeão mundial Ítalo Ferreira (2019), e o bicampeão Gabriel Medina (2014 e 2018) na equipe. Os dois surfistas conseguiram suas classificações depois de darem um show no circuito mundial de 2019, levando a decisão do título até a última onda da temporada. Com isso, os dois atletas prometem entrar com tudo para deixar, mais uma vez, o nome marcado na história do esporte, dessa vez, como o primeiro campeão olímpico da modalidade.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Já no feminino, Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima terão que desbancar nomes como Carissa Moore e Stephanie Gilmore se quiserem levar o ouro inédito. Será uma batalha difícil, mas não impossível, visto que as duas atletas brasileiras já conquistaram resultados expressivos no CT e estão dispostas a trazerem a medalha para o Brasil. Será uma competição interessante de se ver.

Falando em circuito mundial, o Brasil terá, novamente, o maior número de representantes dentre todas as nações na elite masculina, serão 11 no total.

Os classificados entre os 22 da temporada 2019 são: Ítalo Ferreira, Gabriel Medina, Filipe Toledo, Caio Ibelli, Peterson Crisanto e Yago Dora.

Os classificados pelo QS: Jadson Andre, Alex Ribeiro, Miguel Pupo e Deivid Silva.

Além desses, o campeão mundial de 2015, Adriano de Souza, teve a vaga  de lesionado confirmada pela WSL e fecha a lista verde e amarela.

No feminino, as esperanças estão com Tatiana Weston Webb, que será nossa única representante na elite em 2020.

A brazilian storm está mais forte do que nunca, nos últimos seis anos foram quatro títulos para o país e, nas outras duas edições, tivemos, pelo menos, um brasileiro brigando até a última etapa pelo título masculino. Isso mostra a força que o esporte vem ganhando e o nível dos atletas que o país possui. Hoje o surfe é uma realidade e tem tudo para conquistar cada vez mais espaço no coração dos brasileiros. No feminino a evolução já é nítida, e em breve, veremos cada vez mais meninas representando nossa bandeira.

Em 2020 o Brasil vai em busca de fazer história mais uma vez, tanto no CT, quanto nos jogos olímpicos, com chances reias de conquista nas duas competições.

Leia mais

Por critério, Kelly Slater não consegue classificação e está fora dos Jogos Olímpicos em 2020