Com participação da CBF, Conmebol faz reunião para definir protocolo das Eliminatórias

Métodos usados serão os mesmos da Libertadores

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/CBF

Rogério Caboclo, presidente da CBF, participou da reunião oficial do Conselho da Conmebol, realizado por videoconferência, onde foram tratados vários temas relacionados à volta do futebol em meio à pandemia do novo coronavírus, além de ser discutido o protocolo para os primeiros jogos das Eliminatórias da América do Sul.

As principais definições ficaram por conta da utilização do protocolo da Copa Libertadores na disputa das primeiras partidas. As seleções não deverão ficar mais que 24 horas nos países em que forem visitantes. Isso confirma o que foi explicado por Tite e Juninho Paulista recentemente, em que foi apontado que o Brasil não realizaria reconhecimento de gramado em Lima, no Peru, no dia 13 de outubro.

Uma das preocupações é a contaminação de jogadores convocados de clubes europeus, que representam ampla maioria entre os profissionais em disputa das Eliminatórias. Algumas equipes chegaram a pressionar a FIFA por uma compensação financeira caso recebessem atletas com Covid-19 após as viagens. As testagens serão feitas diversas vezes durante a estadia dos convocados para a disputa dos jogos das Eliminatórias.

Acompanhe as notícias do seu time do coração pelo Facebook

O Brasil estreia no dia 9 de outubro, contra a Bolívia, na Neo Química Arena, em São Paulo.

Sul-Americana

Também foi aprovado o novo formato da Copa Sul-Americana, que a partir de agora terá uma fase de grupos e uma fase prévia, em método parecido com o da Libertadores. Com isso, a CBF também já marcou reunião para discutir um novo formato para a Copa do Brasil, para que não haja confronto de datas com a nova Sul-Americana.

Leia mais:
Seleções da América do Sul se tornam dependentes de jogadores “estrangeiros” e passam por problema em crise de Covid-19

De fuga e insegurança a destaque e titularidade: como Patrick de Paula saiu de comunidade no RJ para se tornar peça-chave no Palmeiras