Cada vez com mais espaço, mulheres ainda enfrentam tabus no mundo esportivo

Ana Thais Matos é um exemplo de comentarista mulher em jogos de futebol masculino tanto no SporTV, quanto na TV Globo.

Raffa Carolina
Colaborador do Torcedores

Crédito: Instagram oficial da jornalista Ana Thais Matos

Em suas redes sociais, Ana Thais comemorou o aniversário de um ano da estreia como comentarista em um jogo de futebol masculino. A primeira partida da jornalista foi Ituano x Novorizontino, no SporTV. Ela se tornou a primeira mulher a conseguir tal feito.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Mas, mesmo com o espaço que as mulheres conseguiram atingir na mídia esportiva, as mesmas ainda encontram diversos tabus na área, considerada masculina. Veja abaixo alguns exemplos:

Desconfiança

Muitas mulheres ao apurar uma notícia ou conseguir um furo de reportagem ainda enfrentam o questionamento de como conseguiram aquela pauta. E, muitas vezes, tem de dividir a co-autoria com um jornalista do sexo masculino. Uma pesquisa de 2011, realizada pelo Movimento Global de Mídia, avaliou 18 mil notícias esportivas realizadas e apenas 11% delas eram escritas por mulheres.

Mulheres em cargos de chefia

De acordo com uma matéria da página Comunique-se, apenas 20,5% em cargos executivos nos veículos de comunicação são mulheres, sendo o número ainda menor em áreas esportivas.

Desrespeito

O desrespeito ainda é algo frequente relatado pelas jornalistas na área esportiva. Uma pesquisa realizada pela jornalista Renata Cardoso Nassar aponta que 85,65% já sofreram algum tipo de preconceito e a maioria (38,46%) relatou o assédio como o principal tipo de constrangimento.

Comentaristas em programas esportivo

Um tabu quebrado por Ana Thais Matos ainda é algo que deve melhorar nos programas esportivos. Ana foi a primeira jornalista a conseguir este feito. Mas, ainda não é comum encontrarmos as mulheres presentes na apresentação ou nos comentários. O fato piora em relação às mulheres negras. Raphaelle Seraphim foi a primeira mulher negra a ocupar uma bancada de um programa esportivo, o Redação SporTV.

Narração Feminina

Até o ano de 2018, era incomum ver uma mulher narrando jogos de futebol ou de outras modalidades esportivas. Até a realização de dois concursos: Narra quem Sabe, da Fox Sports, e a Narradora Lays, do Esporte Interativo. Contudo, após a realização destas competições, ainda é difícil ver mulheres narrando em uma emissora de televisão aberta, como a Rede Globo.

LEIA MAIS

Globo, Fox, SporTV e Facebook: veja onde as partidas do seu time na Libertadores 2020 serão transmitidas

Rede Globo x TNT: veja como ficará a divisão de TV no Brasileirão 2020