Adaptação do beisebol, softbol volta às Olimpíadas após 12 anos longe

Modalidade ficou fora dos jogos, mas volta a ser disputado por mulheres a partir da edição de Tóquio

Dandara Prado
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação / COI

O softbol, em inglês softball, é um dos esportes que volta a fazer parte das modalidades nas Olimpíadas, em Tóquio 2020. Ele é praticado por mulheres na maior parte das vezes e agora não vai ser diferente. Os homens vão competir no beisebol, enquanto as mulheres no softbol.

Criado por George Hancock em 1887 nos Estados Unidos, a ideia era adaptar o beisebol para estádio cobertos. Em 1996, foi incluído nos Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos, e permaneceu até Pequim 2008. Este ano, a modalidade está de volta à lista de esportes.

Regras e jogos

As características do softbol são bem parecidas com as dos jogos de beisebol. As principais diferenças estão no tamanho da bola (30,5 cm de circunferência), no campo menor (raio de 60,96 m), duração do jogo (sete entradas contra nove) e no arremesso (de baixo para cima).

Para seguir o padrão, as Olimpíadas vão ter que se adequar às dimensões do campo. Ele apresenta formato triangular, com um lado arredondado. Divide-se entre campos interno e externo, enquanto o bastão é de alumínio. Já no beisebol, ele é de madeira, medindo 80 cm.

Os jogos têm sete entradas. Em cada uma, os times se revezam na defesa (time que arremessa) e no ataque (time que rebate). Um time é formado por nove ou dez jogadores. O rebatedor fica no home place. O apanhador fica atrás, agachado. Em cada uma da três bases fica um jogador. Os outros jogadores ocupam o resto do campo.

A base que precisa ser conquistada pelo corredor (ataque) é alaranjada, enquanto a de defesa é branca. O time ganha ponto quando acerta o bastão na bola arremessada e corre por todas as bases do campo. A cada três rebatedores eliminados, inverte-se o jogo, e entra o rebatedor de outro time. Vence a equipe com maior número de corridas. As partidas duram aproximadamente duas horas e os jogos podem ter além de sete entradas em caso de empate.

Favoritos

Os Estados Unidos é o maior vencedor de softbol nas Olimpíadas. São três medalhas de ouro e uma de prata em quatro edições. Assim, é o grande favorito para vencer em Tóquio. O Japão, país-sede, vem logo em seguida com três medalhas um ouro, uma prata e um bronze. A Austrália completa o Top 3 com uma prata e três bronzes.

A defensora central Laura Berg é a única mulher dos Estados Unidos a participar das quatros Olimpíadas. Entre os 18 nomes da seleção de softbol dos Estados Unidos em 2019, duas arremessadoras participaram da prata olímpica em 2008 contra o Japão: Cat Osterman e Monica Abbott. Cat havia se aposentado após Pequim 2008, porém ao saber da volta da modalidade decidiu retornar ao campo.

Lisa Fernandez é outra atleta de destaque. Participou dos três ouros em Jogos Olímpicos. Na estreia da modalidade, em Atlanta 1996, brilhou na final ao fazer três finalizações para ganhar uma defesa, sendo a 1-1 com ERA 0,33. Em Sidney 2000, bateu recorde de strikeout com 25 no round-robin contra a Austrália. Foi eleita a melhor arremessadora em Atenas 2004, acertando 12 de 22 batidas, recorde olímpico. Em Pequim 2008, ficou como suplente na seleção.

Uma das grandes promessas do país é Rachel Garcia, de 22 anos. A jovem é boa tanto como arremessadora quanto como rebatedora. A atleta ajudou a UCLA  a vencer o Women’s College World Series 2019. Com isso, foi eleita a melhor jogadora do USA Softball Collegiate, melhor atleta universitária em todos os esportes 2019 e muitos outros prêmios.

É possível que as estrelas da MBL, principal liga dos Estados Unidos, não participem das Olimpíadas por serem na mesma época em que ocorre a temporada.

Olimpíadas de Tóquio 2020

Nas Olimpíadas de Tóquio neste ano, a modalidade começará a ser disputada no Estádio Azuma, em Fukushima, entre os dias 22 de julho e 6 de agosto. Já as finais acontecem no Estádio de Yokohama em 28 de julho. Na primeira etapa da competição, será formada um único grupo com os seis países classificados, onde cada um fará cinco jogos. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro e o terceiro e o quatro brigarão pelo bronze.

Os seis países classificados para os Jogos já foram definidos. São os Estados Unidos (campeão mundial 2018); Itália (vencedora do Pré-Olímpico África-Europa); México e Canadá (Pré-Olímpico das Américas); Austrália (Pré-Olímpico Ásia-Oceania) e o Japão (país-sede). O Brasil não conseguiu vaga.

LEIA MAIS
MEDALHISTA OLÍMPICA BRITÂNICA ANUNCIA APOSENTADORIA AOS 20 ANOS