Um ano após a morte de Emiliano Sala, Nantes e Cardiff ainda travam batalha judicial e caso segue com indefinições

O trágico acidente que culminou com a morte de Emiliano Sala completa um ano nesta terça-feira (21) e segue com mistérios e indefinições

Luis Felipe Pereira
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/ Ligue 1

O dia 21 de janeiro de 2019 ficou marcado por uma tragédia que abalou o mundo do futebol e todos os amantes do esporte, causando uma comoção de proporções globais. O desaparecimento e posterior confirmação da morte de Emiliano Sala, em decorrência de um acidente aéreo, chocou milhões de pessoas de vários continentes, mobilizando clubes, entidades, torcedores e até mesmo cidadãos alheios ao cenário esportivo de uma forma poucas vezes vista. Um ano após o episódio, uma série de incógnitas e desdobramentos continuam permeando o caso do jogador que entrou para a história de uma forma que ninguém esperava ou gostaria.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

O acidente

O jogador de 28 anos acabara de selar sua transferência do Nantes da França para o Cardiff City e viajava para se apresentar ao novo clube no País de Gales. O atacante decolou em um avião fretado, que demonstrava não estar em condições ideais para o voo e parecia sentir a iminente tragédia, como foi possível perceber nos últimos áudios enviados pelo argentino durante a viagem, em que descrevia um sentimento de medo e ao mesmo tempo uma espécie de premonição sobre o que estava por vir.

No dia 21 de janeiro, a aeronave desapareceu no Canal da Mancha (que liga a França ao Reino Unido) e as buscas por Emiliano Sala e pelo piloto David Ibbotson foram iniciadas. Após três dias de insucesso, as operações foram canceladas, causando indignação e fazendo com que grandes nomes do futebol mundial como Messi e Mbappé se movimentassem e dessem o suporte para que as tentativas de encontrar o jogador continuassem.

Depois de vários dias e noites de incessantes buscas, o corpo de Sala foi encontrado sem vida em meio aos destroços do monomotor no dia 7 de fevereiro, confirmando de vez a tragédia que ficará marcada para sempre no futebol.

A batalha judicial entre Nantes e Cardiff

A polêmica em torno da transferência de Emiliano Sala segue como uma questão indefinida, mesmo após um ano do terrível acidente. Assim que o corpo do argentino foi encontrado, o Nantes recorreu À justiça para cobrar os 17 milhões de euros determinados na negociação pelo jogador, porém não conseguiu entrar em um acordo com o Cardiff, que se recusou a pagar a quantia.

A FIFA interveio nas tratativas e determinou que o clube galês pagasse 6 milhões de euros aos franceses, valor equivalente à primeira parcela da contratação do argentino. Já no final de 2019, em desacordo com a sentença, o Cardiff entrou com um recurso de apelação ao TAS (em português, Tribunal Arbitral do Esporte), recusando-se a realizar o pagamento. O caso segue indefinido e a batalha judicial entre os dois clubes não parece ter data para acabar.

A morte do pai de Sala

Horacio Sala, pai de Emiliano, faleceu no dia 26 de abril de 2019, pouco mais de três meses após a morte do filho. O argentino de 58 anos foi vítima de um infarto, protagonizando mais um triste capítulo desta tragédia.

Incógnitas e questões não respondidas

Os 365 dias que se seguiram após o acidente não foram suficientes para solucionar todos os mistérios e questões que ainda cercam o caso.

O corpo do piloto David Ibbotson jamais foi encontrado em meio aos destroços do avião Piper Malibu, ilustrando apenas uma das muitas lacunas que envolvem o episódio.

Os principais questionamentos giram em torno dos envolvidos na organização do voo particular que resultou no acidente de Sala. Os empresários Willie e Mark Mckay, envolvidos na negociação que levou Sala ao Cardiff, também teriam participado ativamente das tratativas da viagem, que teve como principal organizador, o piloto David Henderson.

Inicialmente, Henderson seria o responsável por pilotar a aeronave e levar Sala ao País de Galês, porém acabou “transferindo” o serviço para Ibbotson, que de acordo com as investigações não possuía a habilitação para voos noturnos.

Divergências entre os envolvidos na escolha do voo  particular (incluindo o Cardiff) em detrimento de um comercial trazem ao caso uma série de questionamentos sem resposta, que permanecem como incógnitas até os dias atuais.

Homenagens

Assim como nos dias que se seguiram após as notícias do desaparecimento e confirmação da morte de Emiliano Sala, inúmeras homenagens começam a aparecer ao redor do mundo e pelas redes sociais.

O destaque fica por conta da ação do Nantes, que utilizará um uniforme azul que faz alusão ao da seleção argentina na partida de domingo (26) contra o Bordeaux, justamente para homenagear o atacante que defendeu o clube por quatro temporadas. O dinheiro obtido com a venda de ingressos e da nova camisa será doado para o “San Martín de Progreso”, de Santa Fé e para o “Proyecto Crecer de San Francisco”, de Córdoba, entidades que participaram da formação do falecido atleta.

Em meio a tantas indefinições, questionamentos e dor, a lembrança de Emiliano Sala permanece viva a cada partida realizada ao redor do mundo e ficará marcada para sempre na história do esporte que ele tanto amava.

LEIA MAIS:

Emiliano Sala: Livro revela perguntas não respondidas no caso