Atleta que disputou duas Olimpíadas pela Argentina morre aos 26 anos

Lançador de dardo Braian Toledo estava com a namorada quando sofreu um acidente de motocicleta

Lucas Meireles
Colaborador do Torcedores

Crédito: Braian Toledo nos Jogos Olímpicos do Rio 2016 (Foto: Reprodução/Facebook Oficial do Comité Olímpico da Argentina)

O atletismo da Argentino sofreu um baque inesperado na tarde da última quarta-feira (26). Aos 26 anos, o lançador de dardo Braian Toledo faleceu após um acidente de motocicleta próximo a cidade de Marcos Paz. O atleta estava com a namorada quando sofreu o acidente.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

De acordo com o que foi apurado pelo periódico “Clarín”, o acidente aconteceu por volta das 13:30h de quarta-feira. Toledo, que dirigia uma motocicleta, teria atingido um quebra-molas e se desequilibrado.

O atleta então atingiu duas palmeiras que ficam à beira da Rodovia 40, próximo a cidade de Marcos Paz, no distrito de Buenos Aires, na Argentina. O lançador chegou a ser levado ainda vivo ao hospital, mas faleceu minutos depois.

Gigante no lançamento de dardos

A morte de Toledo gerou uma comoção nacional no país vizinho. O lançador de dardo era considerado um dos maiores atletas olímpicos da Argentina.

Jovem de origem humilde e com história de superação, o atleta, que tentou a sorte como jogador do River Plate, vinha se destacando desde que ainda era bem jovem. Em 2009, conquistou a medalha de bronze na categoria sub-18 da Copa do Mundo de Bressanone, na Itália. O argentino, posteriormente, conquistaria o recorde mundial na categoria, marca que detém desde 2010.

Além disso, Braian Toledo têm no currículo a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos da Juventude (2010), o bronze nos Jogos Pan-americanos de Guadalajara (2011), o ouro no Campeonato Ibérico-Americano de Atletismo e a prata no Campeonato Mundial Junior de Barcelona (ambos em 2012).

O lançador também defendeu a Argentina nas Olimpíadas de Londres e do Rio. Em terras cariocas, o atleta chegou a final da competição. Feito que não se repetia desde que Ricardo Heber disputara os Jogos de Helsinque, em 1952.

Buscava a terceira Olimpíada

Mirando os Jogos de Tóquio 2020, Toledo estava morando na Finlândia. País considerado o paraíso para o aperfeiçoamento do atletismo. Mas havia voltado para Marcos Paz para visitar a família e os projetos que apoiava.

O lançador deixa como legado a marca de 83,32 metros. A distância é o recorde da categoria na Argentina e terceira melhor da América do Sul na história.

Leia Mais