CEO de estádio diz que Supercopa do Brasil será o “Super Bowl brasileiro”

O CEO da Supercopa do Brasil não hesitou em chamar o megaevento brasileiro de “Super Bowl brasileiro”, antes de jogo no domingo

Luis Fernando Filho
Jornalista formado, 23 anos, e fanático pelo futebol bem jogado para além das quatro linhas. Twitter: @luisfernanfilho/Insta: @luisfrrs

Crédito: DIVULGAÇÃO

A Supercopa do Brasil está prestes a acontecer no próximo fim de semana, quando Flamengo e Athletico Paranaense duelam pelo torneio que ‘abre’ temporada, além dos estaduais.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

A competição que une os campeões da Libertadores e Copa do Brasil tem grande expectativa referente à aceitação do público consumidor do futebol.

Nesse sentido, o CEO do âmbito privado do estádio Mané Garrincha, Richard Dubois, não poupou as expectativas sobre a Supercopa do Brasil.

Segundo ele, o evento pode ser visto como um “Super Bowl brasileiro”, fazendo menção ao megaevento esportivo famoso nos Estados Unidos.

“Já começamos com um evento de grandes dimensões. Provavelmente o jogo mais relevante do início do ano, porque é o campeão do Brasileirão (Flamengo) contra o da Copa do Brasil (Athletico-PR). Será o “Super Bowl brasileiro”, o jogo que une os dois times, e vamos ver quem é o grande time de 2020. Fizemos muitas mexidas (no Mané Garrincha), muitas novidades para o torcedor”, disse o CEO em entrevista ao Correio Braziliense.

A visibilidade do torneio nesta primeira temporada, contudo, atende a atrair os holofotes aos campeões brasileiros da temporada passa e abrir o calendário brasileiro.

Dessa forma, o CEO do estádio reiterou o fato da gestão privada sob o seu comanda estar melhorando os acesso e acessibilidade no Mané Garrincha para a grande final.

“O que é bom a gente manteve, a visibilidade, o acesso fácil, mas melhoramos muito a comodidade e, especialmente, a segurança dos atletas e das delegações. Estamos torcendo por casa cheia. As catracas voltaram a funcionar. A gente vai saber instantaneamente qual o público no estádio. Os órgãos de segurança terão acesso. Isso já funcionou no fim de semana passado (no The Send Brasil). Minuto a minuto, a gente tem a entrada por catraca, o que adiciona segurança e tranquilidade ao torcedor”, afirmou.

Os holofotes sobre a Supercopa do Brasil, o “Super Bowl brasileiro

Marcada para o domingo, às 11h (horário de Brasília), o torneio será um espetáculo a mais para os torcedores brasileiros, além dos jogos iniciais dos Estaduais.

Flamengo e Athletico Paranaense terão o primeiro grande teste na temporada, apesar de ambos os elencos estarem em preparação física e técnica inicial em 2020.

Sobre a atratividade dos jogos em Brasília, o CEO do Mané Garrinca afirmou que também pretende atrair torcedores para o Estadual e também jogos do Brasileiros.

Com poucos times dentro do estado e nenhum tendo destaque nacional até agora, o palco da Supercopa do Brasil será lapidado para futuras decisões.

“O fato de não ter times (em Brasília), a gente tem 35 anos de contrato. Esperamos que tenhamos times. Estamos incentivando o Candangão, que dava prejuízo ao GDF e encontramos uma solução em que teremos jogos lá rapidamente. Só preservamos agora por causa da Supercopa. Teremos jogos do Candangão e do Brasileiro. Se não tivermos quantidade, teremos qualidade”, finalizou.

LEIA MAIS: AMIGÃO e ANTERO caem na risada com notícias sobre Moreno Longo e Rolão Preto; assista

HAALAND já foi recusado por time alemão por diferença salarial de R$14 MIL