Sánchez fala sobre diferenças de Sampaoli e Jesuado e afirma nunca ter pensado em deixar o Santos

Segundo o meia, Jesualdo pede para que o time espere os adversários

Ítalo Bruno
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/Santos FC

Um dos destaques do Santos em 2019, o meia uruguaio Carlos Sánchez despertou o interesse de clubes no mercado, entre eles, o Santos. Mas segundo o próprio atleta, ele nunca pensou em deixar a Vila Belmiro.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva! Siga o Torcedores também no Instagram

“Estive sempre ligado e focado no Santos. Queria ficar aqui, como estou agora. Sempre trabalhei e pensei no clube. Tenho contrato e não penso em outra coisa que não seja o Santos”, disse Sánchez em coletiva nesta terça-feira.

DAZN agora custa menos de R$1,00 por dia e o primeiro mês é grátis! Assine já!

O interesse de outros clubes em Sánchez não foi despertado apenas pelo futebol jogado pelo meia na temporada passada, mas também uma dívida do Santos com o jogador, que afirma que o problema já foi resolvido.

“Cheguei a um acordo com o Santos. Nunca comentei sobre a dívida do clube para não prejudicar o Santos. Mas nunca pensei em sair”, disse o uruguaio.

O treinador Jesualdo Ferreira vem sofrendo muitas críticas por conta do futebol apresentado pela equipe Santista até aqui. Carlos Sánchez falou sobre a adaptação do grupo ao trabalho do novo comandante e citou também as diferenças de Jesualdo e seu antecessor, Jorge Sampaoli.

“Tem outra filosofia de trabalho que não é pressionar. Temos que esperar para pressionar e jogar. Sampaoli sempre pedia para o time jogar no campo rival, mas agora temos outra filosofia que o Jesualdo está aplicando. Percebemos bastante a mudança neste início, porque estávamos acostumados com outra maneira de jogar. Custou um pouco, mas estamos nos adaptando. Temos que seguir jogando e nos concentrando no que pede o treinador”, afirmou o meia.

O empate frente a Ferroviária também foi assunto abordado pelo jogador, que lamentou o fato da equipe não ter conseguido impor o seu estilo de jogo.

“A briga no estádio foi grande, porque foi um jogo onde não pudemos demonstrar o que havíamos treinado. Foi difícil. Primeiro tempo muito ruim. Não encontramos a forma de jogar da maneira que vínhamos jogando. Creio que foi um jogo onde não pudemos jogar, mas temos que procurar o melhor para que nosso time não se sinta tão fraco como se sentiu nesse jogo”, disse.

Leia mais

Santos leva oito testemunhas à justiça no “Caso Sampaoli”

Além de Gustagol, diretor do Corinthians admite saídas de mais jogadores