Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

10 jogadores revelados na base do Corinthians e mal aproveitados entre os profissionais do clube

O Torcedores.com mostra alguns jogadores que foram revelados nas categorias de base do Corinthians, mas que foram mal aproveitados no time de cima

Diego Lucio Castro de Oliveira
Torcedor do Corinthians, e amante de MMA e Pro-Wrestling. Profissional de TI e futuro jornalista

Crédito: Reprodução/Corinthians

10 vezes campeão da Copa São Paulo, e multi-vencedor nas categorias de base, o Corinthians ‘sofre’ para revelar na mesma intensidade em que vence as competições. Muitas vezes, por jogadores que são mal aproveitados quando sobem para o time profissional.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

 

No dia do aniversário de Éverton Ribeiro, o Torcedores.com resolveu relembrar os principais jogadores revelados na base do Corinthians e que foram mal utilizados entre os profissionais.

10 jogadores revelados no Corinthians e mal aproveitados entre os profissionais

Weverton

Entre 2006 e 2010, Weverton foi diversas vezes emprestado. Quando voltava ao Corinthians, não tinha espaço pois Felipe vivia grande fase e outros goleiros da base (que tiveram menos sucesso na carreira) tinham mais oportunidades. Danilo Fernandes e Júlio César são os principais exemplos.

Éverton Ribeiro

No ano de 2007, o Corinthians viveu seu pior ano na história quando caiu para a Série B do Campeonato Brasileiro. E em meio à um elenco cheio de problemas, a lateral-esquerda se viu ausente, e um jovem meia promissor acabou sendo deslocado para a posição. Esse meia era um tal de Éverton Ribeiro.

O aniversariante do dia acabou não se saindo bem, e acabou ‘vingando’ na posição de origem em clubes como São Caetano e Coritiba. E virou a estrela que é hoje sendo multi-campeão por Cruzeiro e Flamengo.

Dodô

Quando André Santos foi vendido em 2009 ao futebol turco, a lateral-esquerda do Corinthians ficou vaga. Dodô era destaque na base, e pedia passagem no time de cima. Mas em um time que tinha volantes avançados, seu poder ofensivo nunca foi aproveitado da maneira correta. E defensivamente, o jovem não era unanimidade.

Por fim, Roberto Carlos chegou em 2010, e fechou qualquer porta para Dodô. O lateral foi vendido para Itália onde teve boas passagens por Roma e Sampdoria. Mais recentemente atuou por Santos e Cruzeiro.

Marquinhos

Campeão da Copinha de 2012, Marquinhos era muito acima da média e já chamava atenção do futebol europeu mesmo sem ter atuado no time profissional. Tite o promoveu para o time de cima, mas as chances eram mínimas em um elenco com Chicão, Paulo André e Leandro Castán.

Naquele mesmo ano, Marquinhos foi vendido à Roma onde fez sucesso e acabou parando no milionário PSG. Hoje é titular absoluto da seleção brasileira…. comandada pelo mesmo Tite.

Giovanni

O jovem meia estava no elenco campeão mundial em 2012. Mas apenas ‘estava’ mesmo. Poucos jogos como profissional, e Giovanni foi um dos pioneiros na modalidade de empréstimos de jovens, que até hoje é muito praticada pela diretoria do Corinthians. Atualmente está no Coritiba.

Marciel

Outro que teve que ser improvisado em outra posição, e acabou ‘queimado’ no elenco do Corinthians. O volante Marciel fez grande Copinha em 2015, e logo subiu para os profissionais. No mesmo ano, estreou brilhantemente fazendo gol em jogo na Arena Corinthians lotada, no dia do aniversário de 105 anos. Cenário perfeito, certo? Nada disso.

Surgiu a necessidade na lateral-esquerda, e Marciel foi ‘sacrificado’ na posição. Perdeu espaço e entrou na lista de emprestados. Atualmente, está no Juventude.

Mantuan

Mesmo exemplo de Marciel. Quase um ‘Ctrl-c + Ctrl+v’. Grande Copinha em 2017, como volante titular e capitão da equipe. Subiu com moral, mas a chance que teve foi justamente na lateral-direita.

Assim como Marciel, não foi bem, perdeu espaço e entrou na lista de emprestados. Hoje, está no Oeste de Barueri.

Matheus Pereira

Apesar do grande potencial, Matheus Pereira foi ‘queimado’ antes de ir para o profissional. Uma cavadinha na disputa de pênaltis da final da Copinha de 2016, custou um futuro no time de cima do Corinthians. Posteriormente, foi vendido pra Europa, e hoje está no Barcelona B, aguardando uma chance.

Léo Santos

As circunstâncias acabaram não ajudando o início de carreira de Léo Santos. Se alguns não tiveram espaço devido à presença de medalhões no time de cima, Léo Santos teve chances muito cedo. Suprir a ausência de uma super-zaga que tinha Pablo e Balbuena, não era missão fácil. Ainda mais em um elenco desmanchado e com um companheiro de zaga em péssima fase(Henrique).

Para piorar, erro grave na final da Copa do Brasil de 2018, que terminou em gol do adversário. Depois de ser emprestado para o Fluminense, sofreu grave lesão e atualmente se recupera no próprio Corinthians.

Pedrinho

Esse é o caso que soma a maioria dos problemas citados acima. Posicionamento, momento de utilização e pressão da torcida. Pedrinho teve e ainda tem potencial para coisas grandes no futebol. Mas no Corinthians, nunca teve a sequência sonhada pela torcida e crítica. Subiu aos profissionais em 2017 depois de ter sido campeão e craque da Copinha. Era o reserva de luxo do time campeão brasileiro daquele ano, e em 2018 começou a assumir certo protagonismo. ‘Quase’ foi o herói do título da Copa do Brasil contra o Cruzeiro. O gol anulado é lembrando até hoje pela torcida.

De 2019 pra frente, a discussão foi em torno de sua posição. Aberto ou pela meia? Depois de bom Pré-Olímpico pela Seleção Brasileira sub-23 como meia, a pressão para que Pedrinho fosse ‘o cara’ ficou ainda maior. Quando voltou no jogo decisivo na Pré-Libertadores contra o Guarani-PAR, foi expulso com 30 minutos de jogo. Depois disso, teve venda sacramentada para o Benfica, e a chance de vôos maiores no Corinthians, foi interrompida.

As melhores notícias de esportes, direto para você