Tandara ganha ação no TST contra o Praia Clube e vai receber atrasados do clube mineiro

A polêmica dos direitos de imagem atrelados à gravidez de Tandara quando a oposta jogava pelo Praia Clube na temporada 2014/15, finalmente tiveram um desfecho. O TST aceitou o recurso e a jogadora teve ganho de causa

Andressa Fischer
Gaúcha, 22 anos | Escrevo sobre vôlei, futebol feminino e dupla Gre-Nal

Foto: Reprodução/Instagram

O TST (Tribunal Superior do Trabalho) deu ganho de causa para Tandara no processo movido contra o Praia Clube pelo pagamento dos direitos de imagem da jogadora, negados pelo clube mineiro após a gravidez da oposta durante a temporada 2014/15.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

O julgamento no TST era o último recurso cabível pela defesa da campeã olímpica. Com a derrota, o time uberlandense terá de pagar os vencimentos atrasados à jogadora, pois esgotaram-se os recursos.

Em 2015, quando Tandara engravidou, o clube mineiro não renovou os direitos de imagem da oposta, que representavam 99,5% do salário da jogadora, e venciam em 31 de maio de 2015. Deixando apenas 0,5% para a oposta receber. A brasiliense foi a primeira atleta mulher a busca os seus direitos vinculados à gravidez na Justiça Brasileira.

A advogada Sílvia Pérola, representante de Tandara no processo, comentou a vitória contra o Praia Clube na última estância, ao Globoesporte.com. O clube também foi procurado pelo mesmo portal e não quis responder.

“O TST julgou o processo por um fundamento processual. Mas, ao dar provimento ao recurso da Tandara, ele restabelece a decisão regional por reconhecer uma fraude. A fraude foi a seguinte: ela tinha um contrato de trabalho de R$ 821 e outro de imagem de R$ 98 mil. É uma prática fraudulenta e recorrente dos clubes no Brasil. No contrato de imagem, não incidem verbas de natureza trabalhista e fiscal. Quando a Tandara ficou grávida, o clube não renovou o contrato de imagem. Ela ficou alguns meses ganhando R$ 821 até pedir demissão. Isso aí já é uma fraude reconhecida”, disse a advogada ao Globoesporte.com.

“O que chama atenção é não ter renovado o contrato de imagem. Ela não poderia jogar gravida. Se o contrato fosse realmente de imagem, qual o problema de a atleta representar o clube com a barriga? Na minha pesquisa não encontrei nenhum caso de atleta grávida que tivesse renovado o contrato (antes do processo de Tandara). É uma categoria de trabalha ainda mais vulnerável”, completou.

Após passagem pelo maior rival, Tandara acertou retorno ao Osasco-Audax

Depois de duas temporadas, Tandara deve ser anunciada em breve pelo Osasco-Audax. Nesse tempo, a jogadora passou pelo Guangdong Evergrande, da China, e pelo maior rival da equipe paulista Sesc Rio, que causou um certo climão com os torcedores, quando o time carioca veio jogar no José Liberatti.

Águas passadas. O carinho e a identificação falaram mais alto e a oposta acertou o retorno para a sua quarta passagem pela equipe treinada por Luizomar de Moura, onde foi campeã da Superliga em 2012.

LEIA MAIS

Coronavírus pode atrapalhar planos do vôlei brasileiro em Tóquio-2021