Quais são os recordes que Schumacher ainda detém na Fórmula 1?

Alemão é dono de grandes marcas na principal categoria do automobilismo mundial, mas vê Hamilton se aproximar em vários quesitos

Matheus Dalcim
Jornalista pós-graduado em Esportes, apaixonado por futebol, tênis e Fórmula 1 desde criança. Atua desde 2014 como assessor de imprensa, e tem experiência na cobertura de competições e eventos esportivos como repórter freelancer.

Crédito: Martin Lee

Na corrida do último fim de semana em Silverstone, que marcou os 70 anos da Fórmula 1, Lewis Hamilton chegou ao pódio de número 155 na carreira, igualando Michael Schumacher, até então o piloto que mais vezes chegou nas três primeiras posições na história da categoria. Nos últimos anos, o hexacampeão inglês vem batendo recordes atrás de recordes, superando façanhas do próprio alemão. Mas, afinal, quais são as marcas que ainda pertencem a Schumacher?

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

Pódios

Esse deverá ser o próximo recorde do alemão a ser superado. Empatado com os mesmos 155, Lewis Hamilton já tem hoje um aproveitamento melhor de pódios por largada: 60,78% a 50,48%.

 

Títulos

Heptacampeão mundial, Schumacher reina absoluto nesse quesito há 17 anos, desde a conquista do hexa em 2003, quando ultrapassou os cinco títulos do então recordista Juan Manuel Fangio. Em 2020, Hamilton lidera o campeonato e ao que tudo indica deverá igualar as sete conquistas de Michael, algo que parecia improvável acontecer tão cedo.

 

Vitórias

Outro número que parecia ser inalcançável e poderá ser batido ainda neste ano. Com quatro vitórias a menos e o melhor carro disparado do grid, Hamilton tem grandes chances de superar os 91 triunfos de Schumacher na temporada atual.

 

Vitórias no mesmo grande prêmio

No GP da Hungria de 2020, Lewis Hamilton igualou o recorde de Michael Schumacher ao conquistar sua oitava vitória num mesmo circuito. O alemão havia alcançado a marca em 2006, em Magny-Cours, na França. Ambos ainda possuem sete vitórias em Montreal, no Canadá.

 

Vitórias numa mesma temporada

Com 13 vitórias em 18 Grandes Prêmios disputados em 2004 (72,22%), Schumacher é o líder dessa estatística. É bem verdade que Sebastian Vettel alcançou os mesmos 13 triunfos na temporada 2013, mas ele precisou de 19 corridas, duas a mais do que o compatriota, para chegar à marca (aproveitamento de 68,43%). O atual piloto da Ferrari ainda conquistou outras 11 vitórias em 2011, mesmo número de Hamilton em três campeonatos diferentes: 2014, 2018 e 2019.

 

Voltas mais rápidas

Especialista no assunto, Schumi terminou 77 provas com a volta mais veloz do dia. Sua marca registrada era o overcut, ou seja, pisar fundo no acelerador nos giros antecedentes ao pit stop, ganhando vantagem suficiente para retornar à frente dos adversários. Hamilton é o segundo maior recordista, com 49 voltas mais rápidas.

 

Único piloto a subir no pódio em todas as provas de uma temporada

Essa talvez seja uma das maiores façanhas da carreira do ex-piloto alemão. Em 2002, ele foi ao pódio 17 vezes em 17 corridas. Foram 11 vitórias, cinco segundos lugares e um terceiro. Em 2011, Sebastian Vettel também chegou ao pódio em 17 oportunidades, mas em 19 provas. Hamilton, por quatro vezes, também atingiu 17 pódios num ano, em 2015 e 2016 em 19 etapas e em 2018 e 2019, já com 21 corridas no calendário.

 

Pódios seguidos

Entre os GPs dos Estados Unidos de 2001 e do Japão em 2002, Michael subiu ao pódio em 19 provas consecutivas, recorde absoluto na Fórmula 1. Com 16 pódios, entre as provas da Itália de 2015 e da Grã-Bretanha de 2015, Lewis Hamilton é o segundo na lista.

 

Maior intervalo entre o primeiro e último pódio

Com uma carreira longeva e direito a duas aposentadorias, Schumacher correu na Fórmula 1 por 19 temporadas, sendo que chegou nas três primeiras posições em ao menos uma corrida em 16 delas (15 consecutivas, outro recorde). Entre o seu primeiro pódio, no GP do México, em 1992, e o último, no GP da Europa de 2012, foram 20 anos, três meses e dois dias. Raikkonen, o segundo no ranking, tem um intervalo de 16 anos, oito meses e oito dias entre a primeira e a última vez que subiu ao pódio.

 

Pódios por circuito

Schumacher detém os quatro maiores recordes de pódios em um único circuito. Foram 12 em Ímola (San Marino), Barcelona (Espanha) e Montreal (Canadá) e outros 11 em Magny-Cours (França). Hamilton tem 11 em Silverstone (Grã-Bretranha).

 

Temporadas seguidas com vitórias

Schumacher é o piloto a vencer ao menos uma corrida por mais temporadas em sequência. Foram 15 anos, de 1992 a 2006, subindo ao topo do pódio. No seu retorno à Fórmula 1, de 2010 a 2012, não venceu mais. Hamilton já soma 14 campeonatos consecutivos com ao menos um triunfo, desde sua estreia, em 2007, até aqui.

 

Mais tripletes

Pole position, melhor volta e vitória. Ninguém foi capaz de fazer isso na mesma corrida mais vezes do que Michael Schumacher. Ao longo de sua gloriosa carreira foram 22 hat-tricks. Lewis Hamilton, com 16, e Jim Clark, com 11, completam o pódio. Além do britânico hexacampeão do mundo, outros três pilotos do grid atual realizaram essa façanha: Sebastian Vettel possui oito tripletes, Kimi Raikkonen tem dois, e Valtteri Bottas, um.

 

Maior vencedor por uma só equipe

Além de conquistar cinco títulos mundiais pela Ferrari, de 2000 a 2004, Michael também detém o recorde de mais vitórias de um piloto por uma mesma equipe: foram 72 triunfos pela escuderia italiana. Hamilton, também pentacampeão pela Mercedes, tem 66 vitórias pelo time alemão e deve ultrapassar a marca de Schumacher em breve.

 

Mais pontos

Ao longo de sua história a Fórmula 1 adotou diferentes pontuações, o que dificulta bastante relacionar os pontos conquistados por pilotos em variadas épocas. No entanto, se considerados os resultados obtidos utilizando somente o regulamento atual, Schumacher seria o maior pontuador da história da categoria, com 3.962. Esse recorde, no entanto, deverá ser batido nas próximas corridas, já que o segundo colocado no ranking é Lewis Hamilton com apenas 29 pontos atrás, ou seja, 3.933. Hoje, uma vitória garante 25 pontos no campeonato.

 

Aproveitamento de pontuação numa mesma temporada

Em 2002, Schumacher dominou totalmente o campeonato. Além de subir ao pódio em todas as corridas, conquistou 144 dos 170 pontos possíveis, um aproveitamento de 84,71%. Em 2013, outro alemão chegou perto de alcançar essa marca: Sebastian Vettel, à época piloto da Red Bull, foi campeão com 397 pontos dos 475 disputados (83,58% de aproveitamento).

 

Título mais rápido

Os números impressionantes de 2002 deram ao piloto da Ferrari o título mundial com a maior antecipação da história: seis provas antes do fim da temporada, ainda em julho, no GP da França. Anteriormente, o recorde pertencia a Nigel Mansell, que em 1992 venceu o campeonato com cinco corridas de antecedência, em agosto.

 

Títulos mundiais seguidos

Mesmo que Hamilton vença o seu sétimo campeonato em 2020 ele ainda precisará de mais um título para alcançar a marca de cinco mundiais consecutivos, obtidos por Schumacher entre 2000 e 2004. Pentacampeão na década de 1950, o argentino Juan Manuel Fangio venceu quatro campeonatos em sequência, de 1954 a 1957 (o primeiro título havia sido conquistado em 1951).

 

Voltas na liderança

As 91 vitórias e sete títulos mundiais de Schumacher não vieram por acaso. Andar na frente sempre foi uma grande virtude do piloto alemão, que conduziu seu carro à frente de todos os adversários por incríveis 5.111 voltas ao longo da carreira. Hamilton, o segundo, já percorreu 4.681 voltas em primeiro. Vettel completa o top 3, com 3.495 giros na ponta.

 

Segundos lugares

Nem só de vitórias vive um grande campeão. E quando não pôde chegar em primeiro, Schumi garantiu pontos preciosos chegando na segunda posição. Em 19 temporadas disputadas, ele foi segundo em 43 oportunidades. No top 5 desse ranking, Hamilton tem 40 segundos lugares, Fernando Alonso e Kimi Raikkonen possuem 37, e Alain Prost e Sebastian Vettel, 35.

 

Piloto mais velho a conquistar um pódio desde 1970

É verdade que o retorno surpreendente do alemão, em 2010, não correspondeu às expectativas, e o seu aproveitamento caiu bastante ao longo das três temporadas em que guiou o carro da Mercedes. Mesmo assim, ele provou que apesar da idade continuava sendo um grande piloto. No GP da Europa de 2012, aos 43 anos, cinco meses e 21 dias, chegou em terceiro e se tornou o homem mais velho a subir no pódio desde 1970, quando Jack Brabham, aos 44 anos, três meses e 16 dias, foi o segundo colocado no GP da Grã-Bretanha. Nas primeiras décadas, era comum na Fórmula 1 pilotos mais velhos disputarem e vencerem corridas. Fangio, por exemplo, conquistou seu quinto e último título aos 46 anos e 41 dias.

LEIA MAIS

Carlos Sainz entrará para seleto grupo de pilotos de Ferrari e McLaren