Patrick, do Inter, se revolta com morte de homem negro por seguranças em mercado: “Isso é desumano”

Meia colorado Patrick fez questão de fazer uma mensagem lamentando a morte desta quinta-feira

Eduardo Caspary
Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.

Crédito: Foto: Divulgação/Inter

A triste morte de João Alberto Silveira Freitas, espancado e imobilizado por seguranças do Carrefour, em Porto Alegre, na noite desta quinta-feira, causou uma onda de revolta nas redes sociais e não passou em branco até para o meia colorado Patrick, que se manifestou na web.

“Meu Deus, isso é desumano”, se revoltou o Pantera Colorado.

Acompanhe as notícias do seu time do coração pelo Facebook

O assassinato ocorreu na noite desta quinta-feira e os vídeos já viralizaram nas redes sociais, com João, de 40 anos, sendo surrado por dois seguranças. Enfermeiros ainda tentaram reanimá-lo, mas não conseguem impedir o óbito.

Os dois envolvidos, um de 24 anos e outro de 30 anos, foram presos em flagrante. Um deles é policial militar e foi levado para um presídio militar. O outro é segurança da loja e está em um prédio da Polícia Civil. A investigação considera o crime como homicídio qualificado.

O Inter, no perfil oficial, também fez postagens também em alusão ao Dia da Consciência Negra:

Confira a nota do Carrefour:

O Carrefour informa que adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário.

O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento deste inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente. Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que aconteceu e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais.