Menino de 11 anos chora ao relatar racismo durante jogo e comove jornalistas e jogador do Flamengo; assista

Jogador relatou chorando as ofensas durante partida do sub-11

Rogério Araujo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Reprodução/Instagram

Luiz Eduardo Bertoldo Santiago, jogador do sub-11 do Uberlândia Academy, relatou chorando as  ofensas racistas sofrido durante um torneio em Goiás.

O caso ocorreu durante uma partida do Caldas Cup, na cidade de Caldas Novas, no interior de estado goiano. De acordo com Luiz, o ato racista foi de Lázaro Caiana de Oliveira, membro da comissão técnica do time adversário. Segundo reportagem do jornal O Tempo, o profissional foi suspenso pela organização da competição.

“Ele falava: fecha o preto, fecha o preto. Eu guardei para falar no final. Falou um tanto de vezes”, conta o menino no vídeo.

Seu time maltrata seu coração? 

Deixa que o Clude cuida dele para você!

O caso ganhou repercussão nas redes sociais. O goleiro do Flamengo Hugo Souza mandou mensagem ao garoto. Assim como os jornalistas do Grupo Globo Eric Faria e Ana Thais Matos.

O time de Luiz divulgou nas redes sociais uma nota de repúdio pelo caso de racismo.

Confira:

“O dia 16 de dezembro tinha tudo para ser mais um dia de muita diversão e alegria, mas, às 17h30, no Estádio Serra de Caldas, em partida válida pelo Caldas Cup @caldascup, no município de Caldas Novas, quando jogávamos com a equipe Set Esportes, nosso atleta da categoria sub 11, Luiz Eduardo Bertoldo Santiago, saiu de campo depois de mais uma vitória e, imediatamente começou a chorar. Preocupados com a situação, alguns pais foram conversar com ele. Em prantos, Luiz Eduardo disse aos pais que o técnico da equipe adversária se dirigiu a ele com palavras de cunho racista.

Após tomarmos ciência do fato, não tivemos dúvidas, acionamos a Polícia Militar, fomos à delegacia e fizemos um boletim de ocorrência. De antemão manifestamos que iremos até às últimas instâncias em defesa de nosso aluno e contra mais um ato deplorável que mancha a imagem do futebol.
Cobramos uma atitude da organização da competição com relação ao fato, mas, até o momento, não se manifestaram.

Pedimos autorização dos pais do garoto para que pudéssemos publicizar o vídeo onde ele relata o fato ocorrido logo após o término da partida.”

LEIA MAIS: