Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Felipão treinou três opções antes de escolher Bernard no 7 a 1, revela Oscar

Sem Neymar, a seleção brasileira de Felipão poderia ter um time diferente contra a Alemanha na Copa do Mundo de 2014

Rafael Brayan
Estudante de jornalismo. Colaborador especialista e editor-plantonista do Torcedores.Twitter: @rafaelbrayan_

Foto: Felipão e Bernard na Copa do Mundo de 2014

O técnico Felipão ficou próximo de entrar com um time diferente na partida entre Alemanha e a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2014. De acordo com o meia-atacante Oscar, que fez o único gol dos donos da casa no fatídico 7 a 1, o treinador pensou em outras três opções antes de escolher Bernard como substituto do Neymar, que estava lesionado.

São Paulo x Palmeiras, clássicos na Europa e mais: 18 jogos para ficar de olho nesta semana

“Naquele dia, eu lembro de ter ido para o vestiário no intervalo já com lágrimas nos olhos. O placar já era de 5 a 0 para a Alemanha. Nós tínhamos perdido o Neymar antes do jogo. Ele era nosso jogador de ir pra cima. O Felipão treinou com Ramires, Paulinho e até o Willian, mas depois optou pelo Bernard. Não chegamos a treinar com o Bernard, mas sabíamos que ele faria a mesma função do Neymar. Não deu certo, mas não por causa dele, e sim porque a seleção não estava no dia”, revelou Oscar ao UOL Esporte.

Atualmente no Shangai SIPG, da China, Oscar era um dos principais nomes do elenco ao lado de Neymar. Um ano antes, foi destaque na Copa das Confederações de 2013. Quase 7 anos depois, o meia é muito lembrado ainda por ter feito o único gol da seleção brasileira de Felipão na goleada história para a equipe que encerrou a competição como campeão do mundo.

Casagrande diz que futebol precisa parar: “Estamos no pior momento na pandemia”

“Claro que eu já ouvi sobre o “gol do Oscar”, o gol inútil, o gol que não serviu para nada. É difícil. Eu tentei viver, esquecer o jogo para seguir minha carreira, mas não nego: me afetou. Sempre tive ajuda da minha família, mas acho que em um caso assim é necessária um auxílio psicológico, sabe? É difícil explicar aquele jogo, a forma como perdemos tendo um time tão bom. Éramos um dos favoritos até aquela partida, mas essas coisas acontecem no futebol”, completou.