Taubaté vence o Minas e é bicampeão da Superliga Masculina de Vôlei

Mostrando a força de seu elenco recheado de campeões olímpicos, o Taubaté se impôs e faturou mais um título da competição

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

O EMS/Taubaté/Funvic é bicampeão da Superliga Banco do Brasil masculina de vôlei. Fazendo valer a experiência de seu elenco que conta com cinco campeões olímpicos (o levantador Bruninho Rezende, os ponteiros Douglas Souza e Maurício Borges, além dos centrais Lucão e Mauricio Souza), a equipe do interior paulista bateu o Minas Tênis Clube por 3 sets a 0, com parciais de 25/20, 25/22 e 25/17. Assim como a competição feminina, os playoffs do campeonato masculino foram disputados em sistema de bolha no CDV (Centro de Desenvolvimento do Vôlei), em Saquarema (RJ).

Destaque para a atuação do levantador Bruninho. Além de levar o Troféu VivaVôlei de melhor jogador da partida, foi eleito o MVP das finais. Outros grandes nomes da decisão foram Douglas Souza e Maurício Borges. Os ponteiros anotaram 15 e 12 pontos respectivamente. Pelo lado do Minas, o ponteiro Honorato marcou dez pontos.

Primeiro set

Logo de início houve um excelente rali, onde as duas equipes praticaram defesas incríveis e, com o ataque de Escobar, o Minas abriu 3 a 1. Muito equilibrado, ninguém conseguia desgarrar no placar. Taubaté apostou na tática de forçar o saque. Pelo lado do Minas, Honorato anotou quatro dos nove pontos e mantinha a equipe no páreo.

Com Bruninho distribuindo bem e Douglas Souza crescendo no set, o Taubaté abriu 14 a 11 e o Minas pediu tempo técnico. Após a parada, os mineiros diminuíram a vantagem para um ponto, mas o Taubaté novamente abriu três de frente. Os atacantes dividiram a pontuação e fizeram a diferença para a equipe paulista. João Rafael, ponteiro, entrou para sacar e com um ace, colocou a vantagem em 23 a 19 para o Taubaté, encaminhando a vitória no set. Com outro ace, o quarto do time, Douglas Souza fechou a parcial em 25/20.

Douglas Souza foi o destaque com seis pontos, além da boa atuação do levantador Bruninho. Pelo Minas, Honorato guardou quatro pontos.

Segundo set

O Minas voltou defendendo bem, segurando o ataque adversário. Porém, o Taubaté contou com seu forte bloqueio, que deu o tom no set. Em uma defesa espetacular numa bola praticamente perdida, Bruninho recuperou, colocou em jogo e, apesar dos paulistas estarem espaçados em quadra devido ao esforço defensivo, o Minas não aproveitou, a bola voltou de cheque e Maurício Souza colocou 12 a 9 no placar.

Ainda forçando o serviço, Taubaté fez três aces nos sete pontos seguintes e abriu 19 a 14. Ensaiando uma reação, os mineiros baixaram a vantagem para dois pontos, mas a equipe do Vale do Paraíba soube se recompor. Em um erro de saque de Honorato, fechou o set em 25/22.

Novamente anotando seis pontos, Douglas Souza puxou a pontuação do time paulista, acompanhado de outros quatro de Maurício Borges.

Terceiro set

Arrasador, Taubaté fez questão de não dar chance para a “síndrome do terceiro set” e se impôs logo no começo, abrindo 5 a 0. Defendendo muito bem, suportou o ataque do time de Belo Horizonte e deu tranquilidade para que seus homens de frente continuassem a ter boa performance.

Psicologicamente abalado, o Minas não conseguiu achar respostas para conter o esquadrão adversário. Não teve chances de esboçar qualquer reação, pois a equipe paulista manteve o pé no acelerador. Imparáveis no ataque, Taubaté ampliou ainda mais a vantagem. Com um bloqueio simples do capitão Raphael, que acabara de entrar, o Taubaté fechou o jogo e conquistou seu segundo título de Superliga.

Empatados com quatro pontos cada, Douglas Souza, Maurício Borges e Maurício Souza foram os destaques. Vale ressaltar também o desempenho do levantador Bruninho.

Campanha

O projeto de Taubaté foi fundado em 2013 e já alcançou sua terceira final de Superliga. Na temporada 2016/2017, foi vice-campeão para o Sada Cruzeiro. Na última edição (2018/2019), ganhou seu primeiro título por 3 sets a 2 contra o Sesi numa final eletrizante. A temporada 2019/2020 foi cancelada na 13ª rodada devido a pandemia do vírus da covid-19, portanto não houve campeão.

Durante a fase de classificação, Taubaté obteve a segunda melhor campanha com expressivas 20 vitórias e somente duas derrotas. Curiosamente, o líder Cruzeiro teve o mesmo retrospecto. O critério de desempate entre as equipes ocorreu pelo saldo de sets. Os mineiros venceram 62 e perderam apenas 11, com um saldo positivo de 51, enquanto os paulistas conseguiram 61 sets à favor e 15 contra, resultando em 46 de saldo.

Nas quartas-de-final, Taubaté e Montes Claros América Vôlei realizaram uma série de três jogos. Taubaté levou o primeiro com relativa tranquilidade por 3 sets a 0. A segunda partida foi intensa e totalmente equilibrada, decidida nos detalhes. Deu América por 3 sets a 2. No terceiro e derradeiro confronto, o time do Vale do Paraíba se impôs e venceu com facilidade por 3 sets a 0, passando para a semifinal. Nesta fase, encarou o Vôlei Renata, de Campinas, e venceu em dois jogos por 3 sets a 1 e 3 sets a 0, carimbando o passaporte para a final.

Pela decisão, encarou uma grande batalha contra o Minas Tênis Clube no primeiro jogo, decidido no tie-break à seu favor. Neste segundo jogo, mostrou toda sua força. Com certa facilidade, venceu e assegurou o segundo título de sua breve história e de forma consecutiva.

 

LEIA MAIS:

Bernardinho será o novo treinador da Seleção Francesa de Vôlei

Sul-Americano de vôlei em Brasília e Belo Horizonte é adiado por Covid-19