Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Olimpíadas: Com atuação convincente, Brasil vence a Sérvia pelo vôlei feminino

Encarando uma concorrente direta à medalha, Brasil mostra força e consistência para vencer seu principal teste da fase de grupos dos Jogos Olímpicos

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/FIVB

Principais seleções do Grupo A do vôlei feminino, Brasil e Sérvia entraram em quadra na Ariake Arena neste sábado (31) sob expectativa de um duelo equilibrado. No entanto, o time de Zé Roberto Guimarães teve excelente atuação e pôs fim à invencibilidade adversária. Por 3 sets a 1 e parciais de 25/20, 25/16, 23/25 e 25/19, as brasileiras agora dependem apenas de si para avançar em primeiro lugar às quartas de final. O próximo compromisso será contra o Quênia no dia 02 de agosto, às 09h45 da manhã pelo horário de Brasília.

Tandara, contestada até o momento, desencantou e fez sua melhor atuação na competição. Com 19, foi a principal pontuadora brasileira. Mais quatro jogadoras passaram dos dez pontos. Fê Garay (17), Gabi, com 12 e as centrais Carol e Carol Gattaz, com dez cada uma, tiveram grande importância no jogo. Destaque também para a levantadora Roberta, substituindo muito bem Macris, fora por lesão, e também para o setor defensivo brasileiro.

Boskovic terminou com incríveis 32 pontos, sendo a maior pontuadora do jogo.

Este foi apenas o segundo confronto entre os países em Jogos Olímpicos. Na edição de Londres-2012, também pela fase de grupos, a seleção brasileira levou a melhor por 3 sets a 0 (25/10, 25/22 e 25/16).

Sérvias no vôlei brasileiro

Duas atletas sérvias já atuaram em terras brasileiras. A ponteira Brankica Mihajlovic foi jogadora do Rio de Janeiro na temporada 2013/2014. Ana Bjelica jogou por Osasco em 2016/2017 e retornou na temporada 2019/2020.

Escalações

Brasil: Roberta Ratzke (levantadora); Tandara (oposto); Gabi Guimarães e Fernanda Garay (ponteiras); Carol e Carol Gattaz (centrais); Camila Brait (líbero).

Suplentes: Rosamaria (oposto/ponteira); Natália e Ana Cristina (ponteiras); Bia (central); Macris (levantadora – fora por lesão)

Sérvia: Maja Ognjenovic (capitã-levantadora); Tijana Boskovic (oposto); Brankica Mihajlovic e Bojana Milenkovic (ponteiras); Milena Rasic e Maja Aleksic (centrais); Silvija Popovic (líbero).

Suplentes: Sladjana Mirkovic (levantadora); Ana Bjelica (oposto); Bianka Busa e Jelena Blagojevic (ponteiras); Mina Popovic (centrais)

1º SET

As opostos começaram ditando o ritmo do set. Nos três primeiros pontos do jogo para cada equipe, Tandara e Boskovic anotaram dois ataques. Com sistema defensivo brasileiro funcionando bem, as sérvias encontraram dificuldades para virar as bolas e passaram a cometer muitos erros. A equipe de Zé Roberto estava eficiente no ataque e abriu 10 a 6. Roberta entrou bem no serviço, quebrando o passe das adversárias por duas vezes seguidas. O técnico Zoran Terzic parou o jogo aos 13 a 6 no placar.

Retornando do tempo técnico, a Sérvia minimizou momentaneamente os erros e diminuiu a vantagem em três pontos. No entanto, a reação parou por ali. As brasileiras retomaram o controle da parcial e aumentaram a vantagem. Carol Gattaz no bloqueio colocou 21 a 14 no placar e deixou a vitória encaminhada. Roberta, mostrando muita confiança numa bola de segunda, surpreendeu a defesa adversária e pontuou, 23 a 18. A seleção europeia marcou duas vezes consecutivas, mas já era tarde. Muito dependente de Boskovic, com poucas variações no ataque e cometendo muitos erros principalmente no saque (a equipe desperdiçou cinco serviços), a Sérvia viu Gabi Guimarães colocar números finais ao set em 20 a 15.

Bem distribuído, o Brasil teve Tandara com quatro pontos. Fê Garay e Carol Gattaz somaram mais três cada. Boskovic despejou nove pontos para as adversárias.

2º SET

Mostrando estar tranquila, Roberta, em mais uma bola de segunda, colocou o marcador em 4 a 2. Fê Garay anotou um ace e marcou seu terceiro ponto na parcial, 6 a 3. Enquanto o sistema defensivo brasileiro funcionava muito bem, o sérvio ainda não mostrava consistência e apresentava dificuldades. Zé Roberto contestou uma marcação da arbitragem e pediu desafio. Como de costume, o técnico acertou e constatou-se um toque do bloqueio adversário num ataque de Fê Garay. O ponto foi importante, pois o Brasil abriu 14 a 10. Com o erro, as sérvias diminuiriam a diferença em dois pontos.

Nossas ponteiras estavam confortáveis, defendendo e atacando muito bem. Aos 16 a 10 no marcador, Fê Garay e Gabi combinavam para metade dos pontos da equipe. O roteiro do primeiro set se repetia, com o Brasil abrindo distância. A Sérvia não achava respostas para conter o ritmo brasileiro. Continuou cometendo muitos erros, além de monopolizar suas apostas em Boskovic, sobrecarregando a oposto. As demais atacantes pouco pontuaram até o momento da partida. Pelo lado brasileiro, o ótimo desempenho culminou num atropelamento na parcial, encerrada após um ataque de Tandara em 25/16.

Fê Garay puxou a pontuação no set, anotando seis. Tandara, bem na partida, obteve quatro acertos. Para a Sérvia, novamente Boskovic foi a principal pontuadora, com seis.

3º SET

Equilibrada, a parcial iniciou com as equipes se alternando no placar. A Sérvia se sustentava no ataque graças à Boskovic, que marcou cinco dos seis pontos. Porém, a equipe apresentou melhora defensiva, diferente dos sets anteriores. Fê Garay parou Milenkovic no bloqueio e virou para 9 a 8. A ponteira Bianka Busa apareceu mais e ajudou a levantadora Ognjenovic a desafogar um pouco o ataque. O Brasil passou a cometer muitos erros. Em um desses, Carol atacou para fora e as adversárias abriram 18 a 16.

Zé Roberto parou o jogo para reorganizar a equipe e funcionou. Tandara anotou dois pontos e Carol Gattaz colocou o Brasil à frente, 20 a 19. Quem pediu tempo desta vez foi Zoran Terzic. Oscilando no final, as brasileiras não resistiram ao consistente ataque sérvio e viram as adversárias fechar o parelho set em 25/23.

Novamente, Boskovic foi a maior pontuadora do set, com incríveis dez acertos. Bianka Busa deixou mais quatro em quadra. Fê Garay e Tandara permaneceram comandando o ataque brasileiro e marcaram cinco pontos cada.

4º SET

A exemplo do set anterior, o início foi equilibrado até o 4 a 4. A partir dali, o Brasil tomou a dianteira e abriu distância. Fê Garay num ace, Carol Gattaz no bloqueio e Tandara com um potente ataque anotaram três pontos consecutivos para a seleção, obrigando a Sérvia a parar o jogo para frear as brasileiras. A equipe de Zoran Terzic até diminuiu a vantagem, mas Carol entrou em ação. Primeiro, num bloqueio, parou o ataque sérvio. Posteriormente, acertou o ataque e recolocou três à frente, 12 a 9. A vantagem oscilava entre um e três pontos à favor do Brasil. No entanto, a Sérvia conseguiu empatar em 14 a 14 com Boskovic.

Até aquele momento, a oposto estava com cinco pontos na parcial, mas dividia as atenções com Bianka Busa, responsável por mais três. A seleção europeia virou para 16 a 15 após um rali, finalizado por Boskovic. Contudo, o Brasil cresceu no momento mais importante do set. Rapidamente reverteu a vantagem e abriu quatro pontos (20 a 16), diante de dois erros sérvios e um ataque convertido por Gabi após outro rali. Dali em diante, a seleção administrou a diferença. O erro de ataque de Boskovic sacramentou o set em 25/19 e o jogo em 3 sets a 1, coroando a melhor atuação brasileira até o momento nas olimpíadas.

Muito bem distribuída por Roberta, Tandara anotou seis pontos, seguida de Carol, com cinco e Gabi, quatro. Boskovic fez sete para a Sérvia.

Resta apenas mais uma rodada para a definição do chaveamento das quartas de final. Para avançar às quartas de final em primeiro do grupo, o Brasil precisa de uma vitória sobre o Quênia.

25/07

9h45 – Brasil 3 x 0 Coréia do Sul (25/10, 25/12 e 25/19)

27/07

7h40 – Brasil x República Dominicana (22/25, 25/17, 25/13, 23/25 e 15/12)

29/07

7h40 – Brasil 3 x 0 Japão (25/16, 25/18 e 26/24)

31/07

4h25 – Brasil 3 x 1 Sérvia (25/20, 25/16, 23/25 e 25/19)

02/08

9h45 – Brasil x Quênia

 

LEIA MAIS:

Olimpíadas de Tóquio 2020: Confira o quadro de medalhas completo

Olimpíadas: de virada, Brasil supera República Dominicana no tie-break

Olimpíadas: Com direito a virada épica, Brasil bate Argentina pelo vôlei masculino

Olimpíadas de Tóquio: Quando começam e quando terminam os jogos de vôlei masculino?