Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

O Problema com o Call of Duty

Será que o próximo game vai agradar os fãs?

Redacao Torcedores
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação

A maioria das pessoas que jogam videogames já ouviu falar de Call of Duty, pois é um gigante da indústria. Apesar de começar como um jogo de guerra intenso e brutal, desde então se transformou em uma grande experiência multiplayer, onde cada lançamento é ansiosamente aguardado anualmente. Embora os jogos sempre apresentem bons números de vendas, há um consenso crescente na comunidade de que Call of Duty não é tão bom quanto antes. Isso é algo que parece estranho dizer, pois pode-se argumentar que, nos últimos anos, a série nunca teve tanto sucesso. Alguns argumentariam que isso teve um custo, e o que tornou a série tão bem-sucedida foi sacrificada por uma experiência mais convencional.

Embora recentemente os verões foram atingidos pela pandemia com as pessoas se dedicando a atividades como jogos de azar online, encontre sites de Casino Legais aqui, para passar o tempo, isso não acontecia nos verões anteriores. É fácil encontrar grupos de pessoas que podem contar a diversão que tiveram em verões como 2010 ou 2013, já que esses dois anos representaram quando o que a comunidade parece pensar como os melhores jogos de Call of Duty foram lançados. Na verdade, é difícil ver as falhas de tais jogos quando olhamos para trás, já que as pessoas geralmente são altamente suscetíveis à nostalgia. Isso é mais evidente pelo fato de que esses jogos ainda estão disponíveis para jogar no PC e nos consoles do Xbox, mas os novos Call of Duties estão vendo uma base de jogadores maior nessas respectivas plataformas. Apesar de pensar que as entradas mais antigas são melhores, os jogadores ainda preferem jogar as parcelas mais recentes.

Uma vez que os jogos Call of Duty são analisados por suas falhas, incluindo exemplos mais recentes, é difícil ver algum que piorou drasticamente o jogo. Com um ponto de vista objetivo, é fácil ver os problemas que atormentavam todos os jogos da série: vantagens superpoderosas e armas dominadas em Modern Warfare 2, mapas enormes e um tempo rápido para matar em Ghosts, falta de killstreaks em World at War. Cada jogo da série tem pelo menos um problema do qual as pessoas gostam de reclamar, mas isso dificilmente importa no grande âmbito das coisas. Existem outros estúdios de jogos, como o Bethesda, que têm bugs de quebra de jogo em sua base, e isso é algo que pode ser criticado com razão. Call of Duty, por outro lado, raramente fez algo errado além do pecado de tentar algo novo.

Grande parte da reação dos fãs sempre surge quando um Call of Duty muda de configuração. Tudo começou com Advanced Warfare e continuou desde então, e aí um problema com Call of Duty pode ser encontrado. Não é culpa dos desenvolvedores, que estão tentando não saturar um período de tempo já saturado, por tentarem algo novo. A base de fãs realmente não sabe o que quer, pois é muito divisiva, e fazer qualquer implementação vai sempre alienar um grupo de jogadores. Somente quando a base de fãs deixa de ter tanto direito e de agir como se soubesse o que é melhor para o jogo, a experiência de Call of Duty pode voltar ao que era durante 2007-2012.

A reação ao novo jogo disponível em 5 de Novembro parece que mais do mesmo está por vir, e os fãs mais assíduos podem ter que esperar por mais um ano para ter uma experiência melhor.