Torcedores – Notícias Esportivas

Sada Cruzeiro atropela o rival Minas e fatura seu 8º título Sul-Americano de vôlei masculino

Efetivos no ataque, consistentes na defesa e com alto nível de concentração, Sada Cruzeiro não deu a menor chance ao atual líder da Superliga

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução/Twitter - Sada Cruzeiro

Surpreendendo os fãs de vôlei, ávidos por uma grande partida entre os melhores times do momento, o Sada Cruzeiro atropelou o Fiat/Gerdau/Minas e levantou o oitavo troféu Sul-Americano de sua história. O clube anfitrião impôs 3 sets a 0 sobre o rival, com parciais tranquilas de 25/18, 25/17 e 25/17 no Ginásio do Riachão, em Contagem. A conquista credencia a raposa para a disputa do Mundial de Clubes em dezembro na China, competição da qual é tetracampeã e atua detentora do título.

Destaque para a atuação impecável de toda a equipe, muito sólida na parte defensiva e eficiente no ataque. López com 15, Rodriguinho somando 12 e Wallace marcando 10 puxaram a  pontuação cruzeirense, que teve ótima atuação também do levantador Cachopa.

Campeão também das edições 2012, 2014, 2016, 2017, 2018, 2019 e 2020, o Sada Cruzeiro chegou à final em nove de suas dez participações, sendo vice em 2015 e terceiro lugar no ano de sua estreia, 2009.

Já o Minas, bicampeão em 1984 e 1985, amargou seu quarto vice (1986, 1987, 2013 e 2022) e foi medalhista de bronze em 2014.

Na disputa do bronze, o Vôlei Renata sofreu mas bateu os argentinos do Policial Voley por 3 sets a 2, completando o pódio totalmente brasileiro.

Clube celeste ampliou impressionante histórico contra o rival em finais

Esta foi a 16ª final entre os clubes e o histórico é impressionante, com 15 triunfos do Sada Cruzeiro. Além da conquista do Sul-Americano, a raposa venceu o rival na final da Copa Brasil de 2019 e em todas as edições do Campeonato Mineiro de 2010 a 2021. O Sada foi fundado em 2006 na cidade de Betim e assinou a parceria com o Cruzeiro somente em 2009. Neste período, alcançou a decisão do estadual logo em seu ano de estreia e perdeu para o Minas, porém deu o troco dois anos depois, faturando o único título antes da fusão com o clube celeste.

Pela temporada 2021/22, quarta vitória cruzeirense em cinco jogos, sendo duas pelo estadual (incluindo a final), uma pela Superliga e a decisão de hoje do torneio continental. Atual líder da Superliga, o Fiat/Gerdau/Minas obteve seu único triunfo na oitava rodada do primeiro turno, quando aplicou 3 sets a 1 no time celeste, que devolveu o mesmo placar no returno.

Buscando a liderança na reta final da fase classificatória da Superliga, o Sada Cruzeiro permanece em Contagem e encara o Apan/Eleva no sábado, às 19h. Pelo mesmo horário, porém no domingo, o Minas enfrenta o Azulim/Gabarito/Uberlândia em sua arena. Ambas partidas terão transmissão pelo serviço de streaming do canal Vôlei Brasil.

O jogo

1º Set

Minas inaugurou o placar logo numa bola de cheque com Leandro Vissotto. O jogo iniciou equilibrado, com alternâncias na liderança do placar. Ora o comando pertencia ao time minastenista, ora aos celestes. Numa diagonal diante do bloqueio duplo, López conseguiu virar a bola para abrir três pontos de frente pela primeira vez, 9 a 6. Nery Tambeiro parou o jogo, mas o Sada Cruzeiro manteve seu ritmo, com López se destacando tanto no ataque quanto no saque, dificultando o passe adversário e anotando um ace para colocar 14 a 9 no marcador. Wallace anotou dois pontos consecutivos, sendo o último numa difícil diagonal curta, onde se esticou para cravar a bola no chão e o placar em 18 a 12.

Além da solidez defensiva e constância no ataque, marcando 14 pontos e sofrendo apenas sete no fundamento, a raposa contou com erros do Minas para manter a diferença. Sem levar sustos, administrou a parte final, trocou pontos com o adversário e fechou a primeira parcial com um bloqueio do central Isac em 25/18.

2º Set

Explorando o bloqueio do Minas, Rodriguinho colocou 3 a 1 para o Sada Cruzeiro após linda sequência de defesas difíceis de seus companheiros. Repetindo as atuações do segundo terço do set anterior, os donos da casa mantiveram o nível e abriram 8 a 3. O Minas enfrentava dificuldade no sistema defensivo, o que dificultava o trabalho do levantador William e dos atacantes. Num bloqueio duplo, a equipe ensaiou uma reação e diminuiu para a 9 a 6. Contudo, somando os aces de Wallace e López com a falta de efetividade e os erros do Minas, a vantagem celeste voltou a crescer para 14 a 7.

Rodriguinho dividiu a bola na rede e levou a melhor, mantendo sete de frente, 16 a 9. Sem efetiva ofensiva, os atacantes do Minas pareciam estar com a confiança abalada. Mesmo com uma pequena melhora no passe, William acionou seus companheiros, que não convertiam e desperdiçavam as chances. Impiedoso com a apatia do time minastenista, o Sada Cruzeiro permanecia concentrado. López afundou a quadra adversária numa bola de cheque, Rodriguinho, também com outro golpe potente e depois no bloqueio, deixaram o marcador em 24 a 13. Tentando retomar o foco para melhorar no terceiro set, o Minas anotou três pontos seguidos e Filipe Ferraz, técnico do Sada Cruzeiro, pediu seu primeiro tempo no jogo. No retorno, fim de set em 25/17 após erro de saque minastenista.

3º Set

Aos 4 a 3, Honorato tinha uma bola de cheque tranquila para finalizar, no entanto, acabou invadindo a quadra da raposa, desperdiçando uma boa chance para o Minas, que havia iniciado bem o set. López, em outra pancada na quadra adversária, fez 6 a 3 e Nery Tambeiro paralisou o jogo. O Sada Cruzeiro permaneceu forçando o saque e complicando a recepção minastenista. Pinta, central do Minas, cravou um ace no ângulo e a vantagem do time da casa, nesta altura, repetiu as duas parciais anteriores, em 9 a 6. Esta desvantagem de três pontos durou pouco, pois novamente a equipe voltou a apresentar instabilidade em quadra. López, muito bem na partida, também tomou conta do set e ajudou a raposa a ampliar para 16 a 10.

O restante do set caminhou no mesmo ritmo dos anteriores. Muita efetividade cruzeirense, consistência defensiva e comando total da partida, sem dar a menor chance aos rivais. Para explodir a festa da torcida em Contagem, Pinta desperdiçou seu serviço na rede e colocou números finais no set, em 25/17 e no jogo, por 3 sets a 0 para o sada Cruzeiro, que conquistou mais um título internacional em sua história, sendo oito Sul-Americanos e quatro mundiais.

Campanha

Fase de grupos

Sada Cruzeiro 3 x 0 Bohemios (Uruguai) (25/11, 25/11 e 25/13)

Sada Cruzeiro 3 x 0 Club Peerless (Peru) (25/17, 25/8 e 25/15)

Semifinal

Sada Cruzeiro 3 x 0 Policial Voley (Argentina) (25/20, 29/27 e 25/16)

Final 

Sada Cruzeiro 3 x 0 Fiat/Gerdau/Minas (25/18, 25/17 e 25/17)