Torcedores – Notícias Esportivas

Um, dois, três, Minas! Equipe supera o Praia Clube e fatura o tri consecutivo da Superliga

Superando o leve favoritismo inicial do Praia, Minas se impõe em quadra para tornar-se campeão ao fechar a série em 2 a 0

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Pedro Santana/Instagram: @eu.pedrojose

Repetindo o placar da primeira partida, Itambé/Minas não dá chances ao Dentil/Praia Clube e conquista o tricampeonato consecutivo da Superliga 1XBET feminina de vôlei, o quinto título de campeonato brasileiro de sua história. Brasília novamente recebeu uma invasão mineira, que esgotou os 9.129 ingressos e lotou a Arena BRB Nilson Nelson para assistir à uma grande atuação da equipe de Belo Horizonte. Por 3 sets a 1, parciais de 26/24, 18/25, 25/15 e 25/17,  o clube minastenista bateu  seu rival na “final pão de queijo” e levantou seu primeiro troféu na temporada.

O coletivo se destacou nesta série final. O sistema defensivo, consistente, deu plenas condições para Macris acionar suas atacantes, que corresponderam muito bem. Kisy, Thaisa e Neri Oszoy comandaram o poderio ofensivo do Minas. A oposta Kisy, maior pontuadora da partida com 22, levou o prêmio Viva Vôlei de melhor em quadra desta final. Thaisa contribuiu com 19 pontos.

Brayelin Martinez foi a maior pontuadora do Dentil/Praia Clube com 19.

O próximo encontro entre os clubes poderá ocorrer na fase final do Campeonato Sul-Americano, marcado para os dias 06 a 10 de maio, em Uberlândia.

Após quatro vice-campeonatos, enfim o primeiro título na temporada para o Minas

A Superliga foi a quinta competição da temporada para Minas e Praia Clube. A despeito do sucesso uberlandense, a equipe de Belo Horizonte acumulava quatro vice-campeonatos, além de um quarto lugar no Mundial de Clubes.

Esta foi a quarta partida decisiva e segunda final de fato entre Itambé/Minas e Dentil/Praia Clube neste período. O time alviceleste venceu pela primeira vez após três vices. Entre os dias 15 e 25 de outubro deu Praia, com os títulos do Campeonato Mineiro e Sul-Americano, estes por pontos corridos, e da Supercopa, disputada apenas entre os dois times.

Minas estabelece nova hegemonia na Superliga

Ao contrário das recentes derrotas, esta conquista de Superliga consagrou uma hegemonia do Minas não somente no campeonato nacional, como também sobre seu rival. Dos cinco títulos de campeonato brasileiro unificados, este foi o terceiro de forma consecutiva sobre o Praia Clube.

Único a participar de todas as edições de Superliga (criada em 1994), o Minas também foi o campeão da temporada 2001/02, naquela oportunidade sobre o Osasco. Em 1992/93 venceu a Liga Nacional.

O clube minastenista tornou-se apenas o quarto na história a vencer três títulos seguidos. Juntou-se ao seleto grupo composto pelo extinto Sadia Esporte Clube, Osasco e Rio de Janeiro.

Ao lado do Osasco com cinco troféus, ocupa agora a segunda posição entre os maiores campeões. Somente o Rio de Janeiro está à frente, com 12 canecos.

O jogo

1º SET

Para aumentar ainda mais a energia dos torcedores, Claudinha abriu o placar logo com um ace e Oszoy empatou com um potente ataque. Brayelin Martinez iniciou chamando o jogo marcando três dos quatro pontos do Praia (4/3). A partir deste momento, o time aurinegro disparou na frente. Carol teve uma forte passagem pelo saque, anotando um ace e dificultando o passe minastenista. O bloqueio aproveitou e a defesa segurou os ataques rivais. Aos 8/4, Nicola Negro pediu tempo para tentar esfriar os serviços de Carol e recolocar seu time nos trilhos. 27 segundos durou o primeiro rali da partida, finalizado pelo bloqueio de Kisy em Anne Buijs. A oposta do Minas ainda diminuiu para 10/8 no ataque, provocando a paralisação de Paulo Coco.

Aproveitando seu bom momento no set, Kisy empatou em 12 após um longo rali de 40 segundos. Ela e Brayelin Martinez impulsionavam a pontuação de suas equipes e trocavam golpes certeiros, denotando equilíbrio na partida (14/14). A oposta do time de Uberlândia subiu o muro para cima de Oszoy e abriu 17/15. Oszoy se recuperou e, num ataque atrás das linhas dos três, tirando o peso da bola, empatou em 18. Carol Gattaz fez um ace e colocou o Minas pela primeira vez na dianteira do set. Kasiely devolveu na mesma moeda e Jineiry, numa bola de cheque, colocaram três de vantagem, 22/19. Thaisa marcou seu primeiro ponto no jogo e Oszoy, explorando o bloqueio, diminuiu para 23/22. Paulo Coco pediu seu segundo tempo.

No retorno, Pri Daroit empatou num ace e Thaisa passou o Minas à frente no bloqueio. Set point, 24/23. Carol foi acionada e manteve a sobrevida praiana. Contudo, o time alviceleste manteve a concentração, confirmou sua incrível reação numa ótima diagonal de Oszoy e finalizou a parcial em 26/24.

2º SET

Paulo Coco iniciou o set com Tainara no lugar de Anne Buijs, que não estava bem na partida. Tal qual a primeira parcial, esta iniciou parelha, com os times trocando pontos, 4/4. Mantendo o forte ritmo, Oszoy e Kisy continuavam a comandar o ataque minastenista. Macris anotou um ponto de saque, virou para 7/6, mas desperdiçou o serviço seguinte. O Praia empatou em 9 com um erro de ataque de Thaisa e tomou a dianteira com Tainara explorando suas marcadoras. Marcando quatro pontos seguidos (11/9), obrigou Nicola Negro a pedir tempo. Sua equipe, no entanto, ainda sofria com o volume de jogo aurinegro.

Carol, agora maior pontuadora em saques da Superliga, anotou um ace. Kasiely fechou a porta para Kisy, colocou 17/12 e o técnico do Minas gastou seu segundo tempo. Mantendo o bom nível na recepção e a melhora no sistema defensivo, o Praia minava qualquer tentativa de reação rival. Aproveitou-se da instabilidade do Minas e deslanchou. Claudinha, com o passe na mão, distribuiu para suas atacantes que corresponderam muito bem e impuseram uma tranquila vantagem de 23/15. Thaisa até pontuou por duas vezes seguidas, mas já era tarde. Brayelin Martinez fechou a parcial em 25/18 numa bola de cheque e empatou a partida.

3º SET

Desta vez, quem saiu na frente foi o Minas. Abriu 6/2 em três erros do Praia e com Oszoy tentando retomar o desempenho do primeiro set. Irritado com os pontos de graça concedidos ao rival, Paulo Coco pediu tempo. Entretanto, de nada adiantou. Após uma defesa espetacular de Neri Oszoy, Pri Daroit pontuou e o time de BH fez 10/5. Neste momento, o cenário era totalmente diferente do set anterior. Agora, quem comandava as ações era o Minas, implacável no ataque e bloqueio e sólido na defesa. Além da atuação completa, havia a contribuição do alto número de erros aurinegros. Macris esteve no serviço por impressionantes oito pontos consecutivos, quando acertou a rede e finalizou sua passagem, 15/6.

Paulo Coco havia tentado uma inversão de 5×1, promoveu a volta de Anne Buijs no lugar de Tainara, mas nada funcionava. A experiente Carol Gattaz anotou seu primeiro ponto de ataque aos 19/9 deste terceiro set. Ao Praia restava pontuar para tentar retomar a concentração e voltar com ritmo para a quarta parcial. Enquanto isso, o Minas administrava o placar. Nicola Negro aproveitou a diferença e colocou em quadra a levantadora Pri Heldes e a central Julia Kudiess. Sem sustos no período e administrando, Minas contava com Kisy muito à vontade. Pri Daroit acabou com a parcial em 25/15 num ataque diagonal.

4º SET

Thaisa começou bem o set com dois pontos, um de bloqueio e outro em ataque, 3/1. Após paralela, Pri Daroit fez 6/4 e comemorou com a líbero Léia, muito bem na partida. Thaisa foi a peça principal da primeira metade do set para o Minas. Anotou três pontos seguidos de bloqueio. Por incrível que pareça, Kisy fez mais dois, configurando impressionantes cinco pontos consecutivos no fundamento, 13/7. Absolutamente tudo dava errado para o Praia Clube. A fase naquele momento era tão ruim que o time sofreu um ponto de maneira inusitada. Léia executou uma defesa espetacular. O ataque defendido por ela foi tão forte que a bola ultrapassou a rede e foi parar no fundo da quadra rival, que falhou na cobertura e assistiu ao ponto belo-horizontino.

Apesar de sua especialidade ser o ataque, Neri Oszoy seguia protagonizando defesas milagrosas, ‘varrendo’ a quadra. O ataque também não deixava por menos, ainda que cometesse alguns erros devido ao seu alto volume. Aproveitava as chances, principalmente com Macris ditando o ritmo. A diferença no placar mantinha-se entre cinco e seis pontos, 21/15. Valente, o Praia ainda tentava uma reação e não desistia da partida. Entretanto, Neri Oszoy aniquilou qualquer chance de azar. A turca acertou um ataque e finalizou o set e o jogo em grande estilo, com um ace para coroar sua excelente atuação nas duas partidas e nos playoffs. 25/17 e 3 sets a 1 Itambé/Minas, pentacampeão brasileiro.