Torcedores – Notícias Esportivas

Marcos Braz minimiza polêmica com Diego Alves e volta a bancar Paulo Sousa no Flamengo: “Treinador que a gente acredita”

Marcos Braz também justificou a demora da diretoria para se pronunciar sobre o caso entre o goleiro e o treinador

Danielle Barbosa
Jornalista. Escrevendo para o Torcedores desde 2014.

Crédito: Alexandre Vidal/Flamengo

O vice-presidente de futebol do Flamengo, Marcos Braz, e o diretor executivo do clube, Bruno Spindel, participaram da entrevista coletiva do técnico Paulo Sousa após a vitória por 1 a 0 sobre o Goiás, no Maracanã, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, e falaram sobre a polêmica entre o comandante português e o goleiro Diego Alves.

Um dos temas da coletiva foi sobre o respaldo de Paulo Sousa  junto à diretoria rubro-negra, com um dos repórteres relembrando a repercussão das polêmicas declarações de Jorge Jesus divulgadas pelo jornalista Renato Maurício Prado e que à época  passou sem um posicionamento oficial da diretoria.  Marcos Braz destacou que o respaldo é feito no dia a dia e internamente, e aproveitou para bancar o treinador no comando do clube.

—  O respaldo é feito no dia a dia, com transparência, internamente. Muitas vezes, claro, você precisa se posicionar, você precisa mandar mensagem em alguns pontos. Entendo isso, entendo sua pergunta. Em relação à reportagem (do Renato Maurício Prado) e que a gente não se deu ao posicionamento, a gente vem fazendo isso sistematicamente. O problema é que quando você começa a todo dia, quando é questionado por um jornalista, questionando o técnico, se você sistematicamente precisa fazer essa reiteração, você começa até a botar questão da permanência do técnico em questão. Quando você faz isso muitas vezes, acho que fica um pouco fora do tom. Tenho a consciência tranquila do meu trabalho no dia a dia para dar o respaldo possível que se possa dar ao treinador.

— É um treinador que a gente acredita e que estamos com ele – garantiu Braz.

Questionado sobre a demora da diretoria para se pronunciar sobre o caso envolvendo Diego Alves e Paulo Sousa, Marcos Braz justificou que foi o tempo necessário para que eles pudessem entender com clareza e transparência o que de fato aconteceu.

— O problema aconteceu na terça-feira à noite, bem tarde. Na quarta era folga. A gente precisava entender com clareza e transparência o que de fato houve para poder estar aqui dando explicações corretas e plausíveis para vocês (jornalistas) e para a torcida do Flamengo. Passou quinta e sexta e a gente entendeu o que que era. E estamos aqui rapidamente explicando — disse.

—  Tanto que, talvez, não seria o momento para eu e Bruno (Spindel) estarmos aqui, porque um pós-jogo, geralmente, é o técnico que fala do time e do jogo. Nós entendemos que deveríamos dar um esclarecimento transparente, fizemos isso logo que entendemos que poderíamos fazer. Tínhamos que entender todo o processo para não termos outro problema de comunicação — completou.

O diretor executivo Bruno Spindel, que foi quem se reuniu com Diego Alves às vésperas do jogo contra a Católica e negou que o goleiro se colocou à disposição para atuar, também tratou de encerrar a polêmica.

– Como o Mister falou, o episódio já está superado. Todos dentro do Flamengo têm o objetivo muito claro, que é ganhar títulos e dar alegria ao torcedor. Em nenhum momento o Diego se colocou à disposição, como o Mister falou — resumiu.

Entenda a polêmica entre Paulo Sousa e Diego Alves:

O goleiro Diego Alves apresentou um quadro de pubalgia no dia 10 de maio e desde então faz um trabalho de recuperação junto ao departamento médico do clube. No dia 16, às vésperas do confronto com a Universidad Católica, no Maracanã, pela Copa Libertadores, a informação era que o camisa 1 havia se reunido com o diretor Bruno Spindel para se colocar à disposição do técnico Paulo Sousa, pressionado para tirar Hugo Souza do time após a falha no empate com o Ceará, pela sexta rodada do Brasileirão.

Após a vitória sobre a Católica, que contou com Hugo Souza no time titular, o técnico Paulo Sousa foi questionado sobre a situação de Diego Alves e criticou a postura do goleiro.  

— (…) Se vocês verificarem o que são dores no púbis e o tempo que leva para recuperação, não pode ser de um dia para o outro. Ou por uma reunião que teve com o Bruno Spindel na hora do almoço. E que rapidamente se recuperou e podia estar disponível para jogar. Aqui os processos não são assim, os jogadores para jogar têm que treinar. E ele não treinou nenhum dia desde o jogo contra o Botafogo, por isso não podia estar relacionado – disse Paulo Sousa na coletiva.

Durante a semana, Diego Alves e o preparador de goleiros chegaram a trocar indiretas nas redes sociais, até que na quinta-feira o goleiro, o técnico Paulo Sousa, Bruno Spindel, o Dr. Márcio Tannure e os jogadores líderes do elenco se reuniram para contornar a polêmica. Todos negaram ao comandante português que o camisa 1 tenha se colocado à disposição para o jogo contra a Universidad Católica.