Torcedores – Notícias Esportivas

Teremos jogo 3! Minas bate o Sada Cruzeiro e adia decisão da Superliga

De costas para a parede devido a derrota na partida anterior, Minas vira sobre o Sada Cruzeiro e se recupera para manter as esperanças de título

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Orlando Bento/MTC

Com direito a reviravoltas, altos e baixos e muita raça das duas equipes, Fiat/Gerdau/Minas bate o Sada Cruzeiro e força o jogo 3 da série final da Superliga 1XBET masculina de vôlei. Desta vez no ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia, o clube devolveu exatamente na mesma moeda a derrota anterior pelo placar de 3 sets a 2. As parciais foram 21/25, 25/22, 25/22, 21/25 e 18/16. A próxima partida, marcada para o dia 08 de maio também às 10h na cidade do Triângulo Mineiro, definirá o campeão desta edição.

Leandro Vissotto levou o troféu Viva Vôlei de melhor jogador com uma atuação monstruosa de 31 pontos, sendo cinco no tie-break.

Miguel López e Wallace anotaram 24 e 23 pontos respectivamente para o Sada Cruzeiro.

Com esta vitória o Fiat/Gerdau/Minas mantém viva a chance de conquistar seu segundo título na temporada. Finalista em quatro competições, venceu a Copa Brasil sobre o Vôlei Renata, porém perdeu as finais do Campeonato Mineiro e Sul-Americano para o Sada Cruzeiro.

O jogo

1º Set

Rodriguinho e Honorato iniciaram a partida desperdiçando seus serviços na rede, 1/1. Leozinho anotou o primeiro ace do jogo e colocou 4/2 para o Minas. López devolveu na mesma moeda e empatou em 5/5. O saque vinha sendo o principal fundamento até o momento, pois, além dos dois aces, houveram quatro pontos cedidos de graça aos adversários. Wallace deixou o marcador igual em 8 após marcar seu segundo ponto de bloqueio. Por três vezes o Minas abriu dois de vantagem, mas não conseguiu sustentar. Nery Tambeiro pediu tempo quando o Cruzeiro fez três pontos seguidos e passou à frente em 11/10. Wallace estava tão à vontade nesta parcial que deu uma de levantador e passou para López. O cubano encarou um bloqueio triplo e marcou o ponto ao explorá-lo, 15/13.

Filipe Ferraz paralisou o jogo no lance seguinte, quando o Minas encostou. Após forte ataque de Sanchez, a defesa do Cruzeiro teve de se desdobrar para tentar defender. Cachopa correu até o banco rival, mas não conseguiu repor a bola em jogo. Ao voltar para sua quadra encarou os jogadores minastenistas, dando impressão de intimidação, mas depois todos riram descontraídos e nenhum clima de animosidade decorreu. Após ataque na paralela, Wallace, imparável, marcou seu oitavo acerto no set e deu uma certa folga em 22/19. Dali para frente ambos trocaram pontos e o Minas desperdiçou seu ataque de meio. Fim de set, 25/21 Sada Cruzeiro.

2º Set

O segundo set começou do mesmo jeito em que terminou, com dois erros de ataque do Minas. López, muito explorado pelos saques adversário, ainda assim estava bem no ataque. Marcou também um ace com uma generosa ajuda da rede, que amorteceu o serviço e tirou qualquer chance de defesa minastenista, 5/3. A vantagem que chegou a ficar em três para o Cruzeiro, diminuiu para um quando Rodriguinho cometeu uma infração de dois toques, 10/9. Vissotto empatou em 11 com dois pontos seguidos e Leozinho passou o Minas pela primeira vez à frente no set, 12/11. Filipe Ferraz pediu desafio alegando invasão do ponteiro e, inicialmente, conseguiu reverter a marcação. No entanto, tal decisão causou muita polêmica, pois no momento em que a bola já estava fora de jogo Leozinho ainda estava com os pés na linha, invadindo somente após a conclusão do lance. Após cinco minutos de revisões e muitas reclamações, a arbitragem voltou atrás e deu o ponto para o Minas. Cachopa levou cartão amarelo e Filipe Ferraz pediu tempo para acalmar os ânimos.

A partir dali a partida ganhou um certo tom de tensão. Neste caso, melhor para o Minas, que voltou bem e aproveitou a instabilidade cruzeirense para colocar 16/14 no marcador. Novamente o técnico da raposa chamou seus comandados para conversar, mas a equipe adversária manteve o forte ritmo. Vissotto permanecia se destacando e Kelvi anotou o primeiro ponto de bloqueio do time, 19/16. A vantagem caiu para um (21/20) quando Cachopa acionou López na ‘pipe’, forçando Nery Tambeiro a para o jogo. Leozinho, explorado por Wallace no bloqueio anterior, desta vez virou uma ótima diagonal, 23/21. Honorato repetiu o golpe do companheiro e deu o set point ao Minas. Matheus Pinta, que esteve fora da primeira partida devido a uma lesão, sacou muito bem e quebrou o passe cruzeirense. A bola voltou de graça e William Arjona levantou para o central Kelvi atacar com fúria e cravar o placar em 25/22 para o Minas.

3º Set

Diferente do set anterior, quem saiu na frente na terceira parcial foi o Minas. Abriu 3/0 sendo muito agressivo. Contudo, López chamou o jogo e foi importante para recolocar o Cruzeiro nos trilhos, atacando e servindo muito bem. O forte saque do cubano desestabilizou o passe minastenista e a bola retornou por fora da antena. Porém, o árbitro Jediel Hosana Carvalho não viu a marcação dos bandeiras e deixou o lance seguir. Ainda que tenha marcado o ponto no ataque de meio de rede, os jogadores cruzeirenses reclamaram muito com o árbitro por não ter apitado anteriormente. Além de embalar, houve virada celeste para 9/8. Agora, outra reviravolta no marcador, com o Minas abrindo 12/10 num bloqueio de Matheus Pinta. Tempo pedido por Filipe Ferraz.

No bloqueio e depois numa bola de ‘tempo atrás’, Otávio igualou em 13/13. Mostrando regularidade e eficiência impressionantes, Vissotto seguia comandando o ataque minastenista. Honorato subiu o muro na frente de Wallace e pontuou no bloqueio, deixando 17/14 no placar, forçando Filipe Ferraz a gastar sua última paralisação na parcial. Kelvi, jovem de 20 anos, parecia não estar sentindo a pressão no momento. Anotou um ponto de bloqueio e outro num ace, abrindo uma boa folga de 22/17 para o Minas. No entanto, nada estava ganho. O Sada Cruzeiro, mesmo após dois pedidos de tempo de Nery Tambeiro, ainda seguia valente na parcial. Até baixou a diferença para  23/22, mas a combinação William/Vissotto tratou de acabar com a esperança celeste ao fechar o set novamente em 25/22.

4º Set

Pela primeira vez na partida, bloqueio cruzeirense de Isac para cima de Vissotto. Cachopa fez um ponto de saque e Nery Tambeiro pediu tempo logo no início, aos 4/1 atrás. Após duas defesas com os pés e bola de graça para o Cruzeiro, López atacou e Vissotto o bloqueou. Seria o ponto minastenista para tentar renascer na parcial, entretanto, a arbitragem marcou dois toques de William após seu bloqueio e o ponto foi para o Cruzeiro, 7/2. Dali em diante, rolo compressor. Irreconhecível, o Minas estava acuado, sem conseguir virar seus ataques e sofrendo muito com o passe devido ao volume avassalador do Cruzeiro. A sequência foi quebrada somente ao 11/3, quando a arbitragem marcou toque de rede. Nery Tambeiro, sabendo da dificuldade de virar a parcial, promoveu substituições na equipe. Entraram o ponteiro Arthur Bento, o oposto Sanchez e o levantador Everaldo nos lugares de Leozinho, Vissotto e William respectivamente.

Anteriormente em nove, agora a diferença caiu para seis (15/9) com a leve melhora minastenista e também a diminuição do ritmo cruzeirense. Sem desistir, ainda havia resistência por parte do Minas. A vantagem caiu para quatro (19/15), ligando o sinal de alerta no Cruzeiro. Filipe Ferraz pediu atenção à seus jogadores e cobrou também melhora no saque em sua paralisação. William e Vissotto voltaram ao jogo e a esperança ainda permanecia viva com três a menos no marcador (21/18), porém o Cruzeiro voltou mais firme e tratou de não chances ao azar, encerrando o set em 25/21 com forte diagonal de López.

Tie-break

O tie-break iniciou pegando fogo com um espetacular bloqueio simples do levantador Cachopa, de ‘apenas’ 1,85m, sobre Vissotto, inflamando a torcida celeste. O oposto minastenista não começou bem e foi barrado novamente neste fundamento por Rodriguinho, 4/2. Arthur Bento, de apenas 17 anos, mostrou personalidade ao anotar um ponto de ataque e outro em ace, empatando em 5. Contudo, sua equipe voltou a demonstrar instabilidade e o Cruzeiro aproveitou, principalmente com López, para abrir 10/6. Quando o Minas baixou a diferença para dois, Honorato desperdiçou seu saque (12/9) e Nery Tambeiro pediu tempo, mas no retorno o problema persistiu e a diferença, até então, variava entre dois e três pontos.

López errou seu ataque e Filipe Ferraz pediu tempo. Sanchez, numa bola de cheque, contou com o desvio de Wallace para empatar o set decisivo em 13/13. Anteriormente, tudo parecia se encaminhar para a vitória cruzeirense, com 13/10 à favor. Mas bravamente o Minas virou e conseguiu o match point com o desperdício de Wallace no ataque. Everaldo foi para o saque e tentou tirar o peso da bola, mas acertou a rede e o set foi para 14/14. López salvou mais dois match points para o Cruzeiro, 16/16.

Wallace foi para o serviço. Mesmo com o passe quebrado, o Minas passou a bola para frente. O oposto foi para o ataque, mas Honorato o parou no bloqueio e proporcionou mais um ponto do jogo. Desta vez Otávio atacou para fora e deu ao Minas o ponto que fechou o set em 18/16 e a partida em 3 sets a 2, adiando a decisão para o terceiro jogo a ser realizado novamente em Uberlândia.