Home Automobilismo F1: Drugovich assina contrato com a Aston Martin para 2023, diz Glenda Kozlowski

F1: Drugovich assina contrato com a Aston Martin para 2023, diz Glenda Kozlowski

Segundo apresentadora da Band, brasileiro que se sagrou campeão da Fórmula 2 no sábado está garantido como piloto reserva da equipe na próxima temporada da Fórmula 1

Fernando Cesarotti
Jornalista.

O brasileiro Felipe Drugovich já tem contrato assinado ser o piloto reserva da Aston Martin na temporada 2023 da Fórmula 1. A informação foi dada neste domingo pela apresentadora Glenda Kozlowski, da Band, logo depois da transmissão do GP da Itália pela emissora.

PUBLICIDADE

Drugovich, de 22 anos, sagrou-se no sábado campeão da Fórmula 2, a principal categoria de acesso à Fórmula 1. Neste domingo, após uma bandeira vermelha na prova da F2, ele foi visto entrando nos boxes da Aston Martin, que preparava os carros de Lance Stroll e Sebastian Vettel para a corrida que seria realizada em seguida.

Segundo a informação de Glenda, Drugovich terá suporte da XP Investimentos para ficar com a vaga – é normal na F1 que os pilotos reservas, e às vezes até mesmo os titulares, levem patrocinadores para completar o orçamento das equipes.

PUBLICIDADE

Na prova deste domingo, já correndo como campeão, Drugovich chegou em sexto lugar e ampliou mais sua vantagem sobre o francês Tom Pourchaire, vice-líder: 241 a 164

Já a Aston Martin sofreu no GP da Itália da F1: tanto Stroll quanto Vettel abandonaram a prova com problemas eletrônicos, na primeira prova deste ano em que nenhum dos dois carros chegou até o fim. A equipe está em penúltimo no Mundial de Construtores, com 25 pontos, à frente somente da Williams.

Na temporada 2023 da Fórmula 1, a Aston Martin já definiu sua dupla principal de pilotos, com Lance Strolll e Fernando Alonso, que assinou contrato de dois anos para ocupar o lugar de Vettel, que vai se aposentar no fim deste ano. Como Stroll é filho do dono da equipe, Lawrence Stroll, se for para permanecer na equipe a fim de estrear como piloto titular, Drugovich terá de esperar no mínimo até 2025.