Esporte Interativo projeta segunda temporada de transmissão do Campeonato Brasileiro: “Serão 14 jogos a mais do que no ano passado”

Representante da Turner comenta “dúvida natural” do público em 2019 e aponta o caminho para o próximo desafio da emissora

Patrick Monteiro
Repórter do Torcedores com passagens por: jornal O Fluminense (Niterói/RJ) e diário Lance. Comentarista e narrador na extinta Rádio Fluminense AM 540, onde apresentou os programas "Futebol Internacional" e "Jornada Esportiva". Ex-colunista do site Chelsea Brasil. Cobriu, in loco, a Copa do Mundo FIFA 2014, incluindo a grande final (Alemanha x Argentina), entre outros eventos, como Rio Open de tênis, Copa Brasil de Vela e Conmebol Libertadores.

Crédito: Divulgação/Esporte Interativo

A Turner transmitiu jogos do Campeonato Brasileiro pela primeira vez em 2019, quebrando uma longa sequência de exclusividade da competição em TV fechada no SporTV e no Premiere, os canais por assinatura do Grupo Globo, que detém os direitos da principal disputa entre clubes do País. Uma novidade, ao primeiro olhar, estranha aos que assistem e também para quem produz o conteúdo, como contou Fabio Medeiros, o vice-presidente de esportes da Turner na América Latina, em entrevista ao site Meio & Mensagem.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

“Os maiores desafios certamente passaram por oferecer para um público muito exigente e que estava acostumado com o mesmo padrão de transmissão durante décadas, uma transmissão diferente e com um nível de qualidade extremamente alto. Afinal, tudo o que é novidade gera uma dúvida natural nas pessoas: será que vai ser bom? Será que vai ser melhor do que era? Mesmo que a gente já fizesse transmissões de futebol brasileiro como a Copa do Nordeste, mesmo que já tivéssemos subido muito o patamar de transmissão da Champions League no Brasil, era justo que pairasse essa dúvida no torcedor. Isso sem falar que foi o primeiro ano de Brasileirão na TNT, que está se tornando a primeira superstation na TV paga brasileira. Então, teve um processo de aceitação natural disso também”, detalhou Fabio.

Com o fim do Esporte Interativo na televisão em agosto de 2018, as partidas foram exibidas nas telas da TNT e do Space, que pertencem ao grupo, além do EI Plus, serviço de streaming pago. Desta vez, a Turner contará com Athletico Paranaense, Bahia, Ceará, Coritiba, Fortaleza, Internacional, Palmeiras e Santos. Os demais clubes seguem com a Globo, e só pode haver transmissão quando os envolvidos nos jogos têm acordo com a mesma empresa. Enquanto a bola rola pelos Estaduais, iniciam-se os preparativos rumo às rodadas da Série A nacional de 2020.

“Já começamos as conversas para montar o planejamento para esse segundo ano de Brasileirão na TNT, agora com 14 jogos a mais do que no ano passado, o que dá um média de 18 rodadas duplas durante o torneio. É óbvio que, nesses momentos, falamos sobre o que podemos fazer diferente e elencamos o que vamos mudar para essa nova temporada. E é claro há uma expectativa natural para isso. Se no primeiro ano trouxemos a apresentação do pré-jogo para a beira do gramado, colocamos um comentarista atrás do gol para trazer outra visão do jogo, instalamos posições de flash de entrevistas exclusivas pós-jogo (como a Champions faz, por exemplo), precisamos pensar no que vamos entregar para esse segundo ano”, explicou Medeiros, que elogiou os narradores, comentaristas, repórteres e apresentadores do canal.

Atualmente, compõem a equipe do Esporte Interativo nomes como: André Henning, Vitor Sergio Rodrigues, Jorge Iggor, Alê Oliveira, Mauro Beting e Taynah Espinoza.

Leia também:

Carioca supera Mundial na audiência da Fla TV com ausência de jogos no Grupo Globo

BBB 20: surfista está no “Paredão” e ginasta acusado de assédio é “Líder da Semana”