Raul detalha novo estilo de jogo do Vasco: “Abel me dá toda liberdade para avançar”

Volante explica modificação tática do Cruz-Maltino e elogia treinador que chegou em São Januário para a temporada 2020

Patrick Monteiro
Repórter do Torcedores com passagens por: jornal O Fluminense (Niterói/RJ) e diário Lance. Comentarista e narrador na extinta Rádio Fluminense AM 540, onde apresentou os programas "Futebol Internacional" e "Jornada Esportiva". Ex-colunista do site Chelsea Brasil. Cobriu, in loco, a Copa do Mundo FIFA 2014, incluindo a grande final (Alemanha x Argentina), entre outros eventos, como Rio Open de tênis, Copa Brasil de Vela e Conmebol Libertadores.

Crédito: Divulgação/Rafael Ribeiro/Vasco da Gama

Nesta quinta-feira (30), a partir das 21h30 (de Brasília), em São Januário, o Vasco recebe a Cabofriense, pela quarta rodada da Taça Guanabara. O volante Raul confia no crescimento do trabalho de Abel Braga, após a primeira vitória, alcançada contra o Boavista no último sábado.

A história mais bonita do futebol agora tem um banco. Faça parte do meu BMG Vasco!

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

“Acredito que já estamos evoluindo em relação aos pedidos dele. Na maioria dos jogos até agora, tivemos a posse de bola, a gente tenta criar algumas oportunidades de gol e, quando a gente perde a bola, nós temos uma tomada de decisão muita rápida. No dia a dia ele é um cara muito paizão, temos um grupo muito jovem e ele ajuda muito na nossa evolução. Pede para irmos para cima do adversário e fala que temos que ter fome de bola no pé”, comentou, em entrevista ao site oficial do Cruz-Maltino, o jogador de 23 anos, que detalhou as diferenças entre o estilo de jogo anterior e o atual.

“Muda um pouco as características. Ano passado a gente jogava com três volantes, hoje só tem eu e o Bruno (Gomes), então tenho que dar um suporte maior para ele. Mesmo com a necessidade desse suporte, o Abel me dá toda liberdade para avançar, seja pelo meio ou pela direita. Quando estamos com a bola eu procuro dar a opção do passe para ele, até por ele buscar a bola junto aos zagueiros, e fica mais difícil de conduzir até a área”, explicou.

Leia também:

Pelé, Neymar, R10, Prass e trio da Copa-2014: relembre 5 vezes em que boleiros foram personagens de histórias em quadrinhos

Fluminense repudia cânticos de “time assassino” em clássico contra o Flamengo

Dúvida no meio campo, time está evoluindo e mais: as últimas notícias do Vasco desta quinta-feira