Seleção masculina dos EUA pede que mulheres passem a ganhar três vezes mais do que os homens no futebol

Homens do futebol norte-americano acusaram a Federação norte-americana de “vender uma falsa narrativa que prejudica as mulheres do futebol”

Aécio de Paula
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação: UsWnt

Um sindicato que representa os jogadores masculinos dos Estados Unidos fez uma dura exigência para a Federação de Futebol do país. Esses jogadores homens querem que as mulheres ganhem, pelo menos, três vezes mais do que os homens no país. Aliás, isso valeria para a comparação entre as seleções masculina e feminina. Vale lembrar que as meninas venceram a última edição da Copa do Mundo da FIFA. Mas os homens sequer conseguiram a classificação para o Mundial da Rússia.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

De acordo com esses jogadores, a Federação de Futebol dos Estados Unidos “trabalha duro para vender uma narrativa falsa na sua posição que contraria a luta das mulheres por salários mais altos”. Sobre essa questão, o sindicato que representa os homens lançou um longo comunicado criticando duramente a política salarial da federação norte-americana.

“O acordo de 2017-2021 das mulheres é pior do que o 2011-2018 dos homens. A Federação continua discriminando a equipe feminina tanto em pagamentos quanto em condições de trabalho. Nós acreditamos que as mulheres deveriam receber significativamente mais do que o acordo que expirou para os homens. Acreditamos que essa diferença deveria ser, pelo menos, o triplo no salário masculino”, diz a nota.

Luta Longa

A luta feminina por igualdade salarial no futebol dos Estados Unidos aliás é muito longa. Mas o fato é que ela ganhou pontos altos nos últimos meses. Em 2019, todas as 29 jogadoras da seleção principal dos Estados Unidos processaram a Federação do país. Elas alegaram portanto que a entidade estava discriminando as meninas antes da sua campanha na Copa do Mundo da FIFA da França.

Sobre este caso, um julgamento está marcado para o próximo mês de maio. Ainda na época em que as meninas entraram com o processo, a Associação Nacional de Jogadores de futebol já tinha manifestado apoio para a causa das meninas da Seleção principal.

“O que acreditamos que deva acontecer é simples. É preciso pagar as mulheres significativamente mais do que o acordo de homens que expirou recentemente”, diz o comunicado. “Aliás, eles estão usando essa narrativa falsa como arma contra membros atuais e antigos da Seleção Nacional Feminina dos Estados Unidos”, completa o comunicado.

LEIA MAIS

Jogadora fala sobre homofobia no futebol: “Preconceito vai diminuir se um grande jogador se assumir”